Prevent Senior: médicos narram pressão por alta precoce e indicação de kit Covid

Médicos que ajudaram a CPI da Covid a construir dossiê sobre a empresa denunciaram protocolos da operadora de saúde durante a pandemia de Covid-19

127

Três médicos que trabalhavam na  Prevent Senior narraram a pressão da empresa para a alta precoce de pacientes, para diminuir custos e liberar leitos de UTI, em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo.

George Joppert, Walter Correa e Andressa Joppert ajudaram na construção do dossiê investigado pela CPI da Covid e, após decidirem tornar as denúncias contra a Prevent públicas, vivem uma rotina de medo.

Os médicos também relataram pressão para a prescrição do chamado “kit Covid”, com medicamentos com ineficácia comprovada contra a doença , e confirmaram que havia uma meta para que os profissionais atendessem 60 pacientes por cada plantão de 12 horas nos hospitais, o que representa um paciente a cada 12 minutos.

“Infelizmente eles têm essa política, mas felizmente a gente tem essa parte da ética. E a gente sempre tentou fazer conforme a ética. Eu várias vezes levei bronca lá por não cumprir a meta”, contou Andressa Joppert ao Fantástico .

“Nós estamos fazendo a coisa certa. Nós não somos criminosos. O bem social acho que tem que prevalecer acima de qualquer outra definição, ou de dinheiro ou de lucro”, afirmou George Joppert. Na entrevista, George e Andressa Joppert negaram ter manipulado o estudo da Prevent Senior sobre o “kit Covid”.

Os profissionais contaram que, no último ano, houve muita pressão da operadora para que eles receitassem esses remédios ineficazes, que eram distribuídos para os clientes do plano de saúde durante as consultas. De acordo com eles, os médicos não tinham autonomia para decidir ou não pela prescrição desses medicamentos. “Eles estavam de olho em quem prescrevia ou não. Foi uma coisa que eles tinham um controle, então não havia essa autonomia”, disse Walter Correa.

“Entregava a receita, entregava o kit que já ficava no consultório. Era tudo controlado. Ficava um balde com um monte de saquinho com os kits, era meio constrangedor às vezes, entregava para os pacientes a receita com kit e orientava ‘olha, a gente tem que prescrever mas melhor usa só as vitaminas, não usa medicação’. E era assim que funcionava”, continuou.

Andressa afirmou que um diretor chegou a obrigá-la a receitar hidroxicloquina a uma paciente com problemas cardíacos a ameaçando de demissão. “É uma contraindicação para o uso de hidroxicloroquina. Até no próprio protocolo da Prevent é uma contraindicação. Então, mesmo com aquela contraindicação, eu fui orientada. Teria que prescrever, mas eu não prescrevi. E fui chamada atenção”, disse ela

Já Walter Correa trabalhou oito anos como plantonista do Pronto-Socorro da Prevent Senior e foi demitido em fevereiro deste ano. Ele acredita que o motivo do desligamento tenha sido o fato de ele ter deixado de prescrever o “kit Covid” por algum tempo.

“Apesar de ter ficado muito tempo lá, eu acho que nunca me adequei muito bem às práticas da Prevent Senior. É curioso até eu ter ficado tanto tempo, mas acho que a gota d’água foi no final, a questão de eu ter ficado sem prescrever o kit”, contou.

Além da prescrição desses medicamentos, eles disseram que dar altas antes do momento certo, evitar determinados procedimentos mais caros e até mesmo uma pressão para liberar leitos de UTI nos hospitais da empresa, também faziam parte das práticas adotadas pela operadora.

“Importa é o fluxo, importa é o número, não importa o paciente. Vejo a Prevent como especialista em números e não importam as pessoas”, explicou Walter Correa.

O que diz a operadora

Em nota, a direção da Prevent Senior negou as ameaças relatadas pelos médicos e disse que “jamais adotou protocolos para redução de custo”.

“A Prevent Senior jamais adotou protocolos para redução de custos. Pelo contrário, investiu R$ 250 milhões durante a pandemia na aquisição de equipamentos, contratação de profissionais e um programa de testagem em massa que atendeu mais de 500 mil beneficiários, com milhares de vidas salvas. Os médicos da Prevent jamais negligenciam as consultas, que duram o tempo necessário”, informou a nota.

A empresa também acusou os médicos de estarem mentindo e forjando acusações “montadas a partir da manipulação de mensagens por três médicos demitidos da empresa por condutas irregulares”. Dentre elas, casos de “mau atendimento a pacientes que resultaram em boletins de ocorrência”.