Governo Federal estuda modelo de acesso ao crédito para empreendedores inscritos no Cadastro Único

Em reunião nesta quarta-feira (07.02), ministros dialogaram sobre uso de recursos de fundos garantidores para redução do valor de empréstimos ou financiamento à população de baixa renda

61

Garantir crédito a menores taxas para que as pessoas de baixa renda inscritas no Cadastro Único do Governo Federal possam empreender. Para promover a inclusão socioeconômica desse público, os ministros do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, da Fazenda, Fernando Haddad, do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Marcio França, e representantes do Ministério do Trabalho e Emprego se reuniram nesta quarta-feira (7.02).

O objetivo do encontro foi o de trabalhar na estruturação de fundos garantidores de risco de crédito para atender beneficiários do Cadastro Único. “O Governo Federal trabalhará de forma integrada para atender as pessoas que mais precisam”, declarou o ministro Wellington Dias.

“Assim como o presidente Lula, o ministro Haddad compreende de forma muito clara a importância desse trabalho conjunto, também com estados, municípios e setor privado, para que se disponibilize opção de crédito com taxas e prazos adequados, bem como assistência social e assistência técnica, para garantir que as pessoas do Bolsa Família possam empreender”, complementou o titular do MDS.

A proposta pretende utilizar, por exemplo, o Fundo de Garantia de Operações (FGO) e o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC-FGI) para garantir créditos bancários com taxas menores. “Nosso desafio é consolidar um desenho que atenda às pessoas que vivem nas zonas urbanas, assim como já temos para aquelas que vivem no campo. Queremos aproveitar o bom momento que vive a economia brasileira para continuarmos avançando”, explicou Wellington Dias.

Fundos garantidores

O fundo garantidor de risco de crédito permite o acesso ao crédito a empresas que não dispõem das garantias necessárias para contratação dos empréstimos ou financiamentos. O mecanismo visa complementar as garantias exigidas pelos bancos nas operações de empréstimos e de financiamentos.

Já o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC-FGI) possibilita ampliar o acesso ao crédito para Microempresários Individuais (MEIs), Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs).