PF apreende computador e documentos no gabinete do deputado Carlos Jordy

Parlamentar é alvo da 24ª fase da Operação Lesa Pátria, realizada nesta quinta-feira (18)

58

A Polícia Federal (PF) apreendeu um laptop e documentos encontrados no gabinete do deputado Carlos Jordy (PL-RJ). Os agentes passaram mais de duas horas na Câmara dos Deputados. Deixaram o local por volta de 9h20.

O laptop apreendido pertence ao parlamentar. Segundo apurou a CNN, um dos 5 agentes da PF que participaram da operação é perito de informática e também fez uma análise dos computadores usados por assessores que trabalham no gabinete, mas nada suspeito foi encontrado.

Entre os documentos apreendidos, estão cartões de visita e mensagens de e-mail que estavam impressas. O material foi levado pelos agentes em malotes e será analisado pelos peritos da Polícia Federal.

Carlos Jordy é o primeiro deputado federal alvo da operação Lesa Pátria, que entrou hoje em sua 24ª fase com foco na identificação de mentores intelectuais, financiadores e incitadores dos atos antidemocráticos do 8 de janeiro.

Segundo apurou a CNN, a suspeita é que Jordy tenha ajudado a coordenar atos antidemocráticos no Rio, incluindo um em Goytacazes e bloqueio de rodovias. Demais alvos da operação, conforme verificou a CNN, são pessoas que ficaram acampadas em frente à 2ª Companhia de Infantaria em Campos dos Goytacazes.

Outro lado

Jordy usou as redes sociais para se manifestar a respeito da operação desta manhã. Segundo ele, trata-se de “uma medida autoritária, sem fundamento, sem indício algum, que somente visa perseguir, intimidar e criar narrativa às vésperas de eleição municipal”.

“É inacreditável o que nós estamos vivendo. Esse mandado de busca a apreensão, determinado pelo ministro Alexandre Moraes, é a verdadeira constatação de que nós estamos vivendo uma ditadura. Eu, em momento algum do 8 de janeiro, incitei, falei para as pessoas que aquilo ali era correto, pelo contrário, em momento algum eu estive nos quartéis generais quando estava acontecendo todos aqueles acampamentos.”

Nunca apoiei nenhum tipo de ato anterior ou depois no 8 de janeiro, embora as pessoas tivessem todo o seu direito de fazer suas manifestações contra o governo eleito”, acrescentou Jordy.

O STF afirmou que, por ora, não vai se manifestar sobre as acusações feitas por Carlos Jordy.