‘Dinheiro esquecido’: fila de saques chega a 300 mil pessoas e site enfrenta instabilidades

0
160

A fila virtual para saques do dinheiro esquecido chegou a 300 mil pessoas na manhã desta terça-feira (7), quando foi liberada pela primeira vez em mais de um ano.

A estimativa de espera para ter acesso ao Sistema Valores a Receber (SVR), do Banco Central do Brasil, chegou a duas horas e usuários enfrentaram instabilidades para requisitar os saques. Em alguns momentos, o site orientou o usuário a voltar mais tarde. (veja as imagens abaixo).

Por volta das 12h50, a espera do SVR recuou para cerca de 20 minutos e o BC emitiu uma nota à imprensa, dizendo que o sistema está funcionando a “plena carga para atender a todos os interessados em recuperar os recursos esquecidos no sistema financeiro”.

“Como é comum em sistemas que recebem uma enorme quantidade de acessos em curto espaço de tempo, o SVR organiza automaticamente uma fila e informa ao usuário sua posição e previsão de atendimento. (…) Nessas primeiras horas de funcionamento, uma vez dentro do sistema, o tempo para os usuários requererem seus recursos tem sido menor que o esperado”, diz o texto. 

O BC diz ainda que os recursos permanecerão à disposição dos usuários pelo tempo que for necessário e que todos serão atendidos o mais rapidamente possível, sem necessidade de agendamento de horário certo como na primeira fase, em 2022.

Ao todo, 38 milhões de pessoas físicas e 2 milhões de empresas têm cerca de R$ 6 bilhões a resgatar, segundo o BC. A página para consulta inicial de valores esquecidos está ativa desde a última terça (28). Os saques começaram nesta terça-feira (7), às 10 da manhã.

Fila para saques do dinheiro esquecido no Sistema de Valores a Receber (SVR), do Banco Central — Foto: Reprodução

Dinheiro esquecido: nota do BC pede retorno em outro momento — Foto: Reprodução

Confira o passo a passo para resgatar seu dinheiro:

Antes do passo a passo, é importante ressaltar que, via sistema do Banco Central, os valores só serão liberados para aqueles que fornecerem uma chave PIX para a devolução.

Caso não tenha uma chave cadastrada, você precisará entrar em contato com a instituição para combinar a forma de recebimento. Outra opção é criar uma chave e retornar ao sistema para fazer a solicitação.

1 – Não custa reforçar: a primeira etapa é saber se você tem valores a receber.

  • Isso é feito pela página www.valoresareceber.bcb.gov.br. O BC ressalta que este é o único site disponibilizado para consulta.

Sistema do BC é o único disponibilizado para consulta. — Foto: Reprodução/Banco Central

2 – Após clicar no botão da imagem acima, você será encaminhado para consulta pública.

  • Nessa etapa, é preciso preencher os campos com CPF e data de nascimento.
  • No caso de empresas, a busca é feita pelo CNPJ e data de abertura do negócio.

Primeiro passo é saber se você tem dinheiro a resgatar. — Foto: Reprodução/Banco Central

  • Caso tenha valores a receber, a tela irá indicar o terceiro passo.
  • Em caso contrário, o sistema irá sugerir uma nova consulta em outro momento, após possíveis atualizações de dados encaminhados por instituições ao BC.

3 – Confirmado que há dinheiro a resgatar, você será encaminhado para uma nova página do SVR.

  • De acordo com o BC, esse sistema é semelhante à compra de ingressos.
  • Ou seja, se houver acessos simultâneos acima da capacidade, você ficará em uma sala de espera virtual aguardando sua vez.
BC terá 'sala de espera' caso sistema seja sobrecarregado. — Foto: Reprodução/Banco Central

4 – Na sequência, é preciso fazer login com a conta gov.br. Não tem? Saiba criar uma.

  • A criação da conta gov.br é gratuita. O cadastro pode ser feito pelos seguintes caminhos:
  • Site Acesso (https://sso.acesso.gov.br)
  • App gov.br (link iOS ou Android)

Conta gov.br é necessária para resgate de 'dinheiro esquecido'. — Foto: Reprodução/Banco Central

5 – Nessa etapa, você será encaminhado para o valor a receber, seja pessoa física ou jurídica.

  • Página também leva à consulta de pessoas falecidas.

Quinto passo irá levar à consulta de valores a receber. — Foto: Reprodução/Banco Central

6 – Você precisará aceitar o Termo de Ciência para prosseguir no sistema.

  • É preciso selecionar o quadradinho abaixo e clicar em “confirmar”.

Usuário terá que aceitar o Termo de Ciência. — Foto: Reprodução/Banco Central

7 – A tela seguinte trará as seguintes informações:

  • montante a receber;
  • nome e dados da instituição que deve devolver o valor;
  • origem (tipo) do valor a receber;
  • informações adicionais, quando for o caso.

Nessa página, também será possível acessar os dados e solicitar diretamente a devolução para a instituição financeira.

8 – A última etapa é o pedido de devolução dos valores.

  • Clique no botão “solicitar por aqui” e siga as orientações indicadas.
  • Em seguida, selecione uma das suas chaves PIX e, caso deseje, informe seus dados pessoais.
  • Nesse caso, a instituição devolverá o valor via PIX em até 12 dias úteis após a solicitação.

O botão “solicitar por aqui” só irá aparecer, no entanto, caso a instituição na qual você tem dinheiro esquecido tenha firmado um termo de adesão com o Banco Central.

  • Do contrário, o resgate não será feito diretamente pelo sistema do BC.
  • O sistema irá apenas informar o valor a receber e em qual instituição está aquele recurso.
  • Aparecerá, nesse caso, uma mensagem informando contatos oficiais (e-mail e telefone) para que você entre em contato diretamente com a instituição e combine a forma de devolução.

Confira abaixo respostas para as seguintes perguntas:

  • Há alguma novidade neste ano?
  • É possível gerar um comprovante para tomar empréstimos?
  • Quando o dinheiro será pago?
  • Como não cair em golpes

Há alguma novidade neste ano?

Além de valores esquecidos em contas correntes, poupanças, cooperativas de crédito, consórcios e tarifas e empréstimos, o sistema do Banco Central agora mostra valores oriundos de contas de pagamento, corretoras de títulos e valores mobiliários.

Neste ano, há também uma sala de espera virtual, que permanece aberta por prazo indeterminado, para efetuar o pedido do saque. Ou seja: não haverá, como no ano passado, necessidade de agendamento.

Segundo o BC, o sistema também ganhou mais transparência para quem tem conta conjunta. Se um dos titulares solicitar o saque de dinheiro esquecido, o outro, ao entrar no sistema, conseguirá ver as informações da solicitação: valor, data e CPF de quem solicitou.

A consulta a valores de pessoa falecida ganhou acesso para herdeiro, testamentário, inventariante ou representante legal, e informará os dados de contato da instituição responsável pelo valor e a faixa de valor.

É possível gerar um comprovante para tomar empréstimos?

Sim. Ao acessar o Sistema de Valores a Receber (SVR), a partir desta terça (10), você vai poder gerar um comprovante.

O documento é gerado com um número de protocolo e o valor correspondente que pode ser sacado, podendo ser usado como prova para um credor.

Quando o dinheiro será pago?

Segundo o Banco Central, o prazo de devolução é em até 12 dias úteis, se você solicitou o seu valor pelo SVR, clicando em “Solicitar por aqui”, e indicou uma chave PIX.

Em casos diretamente combinados com a instituição financeira correspondente, não há prazo definido.

Como não cair em golpes

Segundo o site do BC, a melhor forma de se precaver é:

  • Não fazer qualquer tipo de pagamento para ter acesso aos valores: todos os serviços do Valores a Receber são totalmente gratuitos.
  • Não clicar em links que indicam confirmação de dados pessoais: o BC não envia links nem entra em contato com você para tratar sobre valores a receber ou para confirmar seus dados pessoais.
  • Somente a instituição que aparece no Sistema de Valores a Receber é que pode te contatar e ela nunca irá pedir sua senha.
  • Não clicar em links suspeitos enviados por e-mail, SMS, WhatsApp ou Telegram.
  • O único site para saber informações sobre valores a receber é valoresareceber.bcb.gov.br