Gás de cozinha fica 6% mais barato para distribuidoras a partir desta sexta

Petrobras aplica segunda queda no preço em pouco mais de dez dias

39

Começa a valer nesta sexta-feira (23) uma nova queda no preço do gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás de cozinha, anunciada pela Petrobras às distribuidoras. O valor passará de R$ 4,0265/kg para R$ 3,7842/kg, uma redução de 6%. Com isso, a parcela da estatal no botijão de 13 quilos será de R$ 49,19, caindo R$ 3,15.

A Associação Brasileira das Entidades de Classe das Revendas de GPL (Abragás) afirmou que “se as distribuidoras repassarem integralmente esse valor para as revendas, poderá sim haver uma leve redução para os consumidores.”

Já o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de GLP (Sindigás) divulgou, em nota, que “os preços do GLP são livres em todos os elos da cadeia e suscetíveis às variações do mercado. As distribuidoras associadas não reportam ao Sindigás qualquer aumento ou baixa de preço e não há como fazer uma previsão ao consumidor.”

Essa é a segunda redução no preço anunciada pela Petrobras em pouco mais de dez dias. No dia 12 deste mês de setembro, o valor às distribuidoras caiu R$ 0,20, somando R$ 2,60 para o botijão de 13 quilos. Segundo a empresa, as mudanças acompanham a evolução do mercado internacional.

Apesar do último reajuste, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) não observou redução ao consumidor no levantamento realizado nacionalmente. Pelo contrário, o preço médio no Brasil subiu de R$ 111,91, entre os dias 4 e 10 de setembro, para R$ 113,25,entre 11 e 17 deste mês, de acordo com a Agência.

Segundo a Abragás, no momento da redução divulgada no dia 12, as revendas recebiam um aumento de até R$ 4,35 no botijão por conta de correções nos salários dos trabalhadores do setor.

“As revendas são o último elo da cadeia e esperam receber essa redução integral para poder efetuar o repasse possível aos consumidores, considerando sempre os custos operacionais incluído também a reposição salarial”, coloca a entidade.

Em agosto, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística registrou uma deflação de 0,09% no gás de cozinha, que acumula uma alta de 18,42% em 12 meses.