Defesa Civil mantém alerta para seca do rio Madeira

Banhistas devem evitar áreas isoladas pela possibilidade de aparecimento de predadores

30

Apesar de ter subido, na última quinta-feira (22), para 2,65 metros, o nível do rio Madeira continua baixo, oferecendo riscos à navegação, banhistas e para as comunidades que vivem nas regiões ribeirinhas do baixo, médio e alto Madeira.

A elevação do nível se deu em virtude das chuvas na cabeceira do rio Beni com Madre de Dios nos últimos dias, podendo chegar até três metros no sábado (24), mas a Defesa Civil Municipal segue alertando a população para os cuidados preventivos de segurança.

As recomendações continuam para que ribeirinhos e donos de embarcações evitem a pesca e a navegação noturna, devido à presença dos bancos de areia predominantes neste período de estiagem. Já os banhistas devem evitar áreas isoladas pela possibilidade do aparecimento de predadores como jacarés, candirus, arraias e cobras que buscam abrigo nas praias.

Continuam também o monitoramento das margens do rio, que podem sofrer desbarrancamentos, e o atendimento de suporte às famílias em situação de vulnerabilidade.

No baixo Madeira já foram distribuídos mais de 700 fardos de água potável para os moradores, hipoclorito de sódio, kits de higiene e kits de limpeza. As comunidades assistidas foram Santa Catarina, Pombal, Curicaca, Laranjal e Bom Jardim, totalizando 60 famílias. O período é considerado crítico, mas não atingiu o recorde histórico de seca registrado em setembro de 2005, quando o nível do rio chegou a 1,36 metro.