Acessórios que valem ouro: veja itens que ladrões adoram levar do seu carro

50

Deixar o carro na rua e ter algo furtado está longe de ser incomum. Porém, nem sempre você estará a salvo se deixá-lo em um estacionamento. 

As técnicas de furtos de equipamentos estão cada vez mais sofisticadas, não é apenas um objeto deixado dentro do carro ou o estepe que corre riscos. 

UOL Carros conversou com Cleber Willian Gomes, docente do departamento de Engenharia Mecânica da FEI, e com Antonio Fiola, presidente do Sindirepa-SP, para falarmos mais sobre esses itens do desejo.

Catalisador 

O roubo de catalisadores virou febre mundo afora. Isso tem uma explicação: os itens se tornaram cada vez mais sofisticados, caros e sua composição inclui materiais nobres como platina e ródio, ambos muito buscados pela indústria automotiva. Nem sempre deixar o seu carro em uma garagem vai protegê-lo.

“Mesmo abrigado da rua, o carro pode ter muitas peças retiradas ou substituídas, volta e meia vemos a troca até do catalisador”, alerta Cleber.

“Tem empresas que compram catalisadores usados de R$ 500 a R$ 600. Eles tiram o material valioso de dentro e, às vezes, o cara vai perceber só porque acendeu a luz de injeção”, diz Fiola. A alta demanda pelos materiais ganha força diante da baixa oferta deles. 

Nem sempre é por causa dos metais raros. Um catalisador de boa categoria pode custar mais de R$ 1 mil. Claro que os mais tecnológicos valem bem mais do que isso. Por exemplo, chegamos a encontrar um catalisador de Lamborghini por R$ 30 mil. 

Bateria 

Uma bateria de marca famosa pode custar perto de R$ 400, então não é por acaso que alguns bandidos levam esse componente. Algumas vezes, deixam uma antiga no lugar. Vale tudo para ludibriar.

“Supondo que você deixou o seu carro em algum estacionamento, dali para a frente muitas peças podem ser retiradas ou substituídas, casos da bateria ou do catalisador. Elas são trocadas e o risco é que você demore muito para perceber. O melhor é levar a chave e procurar estacionamentos credenciados por alguma rede”, ensina Cleber. 

“Hoje há uma proteção contra a retirada de alguns componentes: a rede que conecta vários equipamentos em uma rede parecida com a de um computador. Se a avaliação da comunicação deles for feita, os defeitos podem ser apontados no painel. Caso isso aconteça, investigue a fonte o mais rápido possível”, reforça Cleber. Há alguns defeitos de itens que podem ser denunciados eletronicamente, entre eles, o catalisador ou a bateria.

Faróis e lanternas 

Alguns carros já ficaram famosos por terem faróis e lanternas que são quase do tipo encaixe. A facilidade de troca e de instalação original são características projetadas pelos fabricantes, mas que podem significar fraquezas para os marginais.

“Vamos pensar o seguinte, os veículos têm que ter um projeto para montar ele da forma mais rápida e robusta possível. A ideia é ter algo mais parecido com plug and play possível”, revela Cleber. 

O custo destas peças pode ser elevadíssimo. “Os faróis são itens muito roubados, caso de dois carros alemães que podem ter peças de R$ 11 mil a R$ 30 mil cada. Você nem precisa abrir o capô para tirar, porque eles ficam nos para-lamas. Posteriormente, você pode encontrá-los no Mercado Livre”, conta Fiola. 

Antenas 

Quem nunca parou na rua e pensou em guardar a anteninha de teto dentro do carro? O problema é que há algumas que não são destacáveis, enquanto os preços também podem ser mais elevados do que as de antigamente. 

“No caso das antenas, as antigas não valiam tanto, mas as atuais têm componentes bem caros”, explica Cleber.

O encaixe descomplicado é algo que atiça a tentação dos ladrões. No caso das mais baratas, surrupiar uma parece mais uma questão de furtar por furtar. Mais ou menos o mesmo caso das tampinhas dos bicos de ar dos pneus. Entretanto, as mais cobiçadas incluem conectividade que vai além do simples rádio. 

Elas podem ser mais complicadas de serem removidas, nada que não seja compensado pela revenda no mercado ilegal. Estamos falando de valores acima de R$ 500. 

Rodas 

Nós podemos até ter dificuldade para trocar um pneu furado, no entanto, bandidos podem brincar de pit stop e levar os pneus e rodas do seu carro. Segundo os especialistas ouvidos, o estepe é o líder clássico dos componentes mais furtados, mas os demais pneus também estão arriscados. Basta algum tempo, macacos e cavaletes ou blocos para alguém fazer isso com o seu carro. Como bem lembrou Cleber, os alarmes costumam ter sensores de inclinação. 

“Você economiza um pouco ou pode estar com pressa para estacionar. Os alarmes podem ser acionados nos veículos mais modernos, uma vez que eles costumam ter sensores de inclinação. O problema é que o alarme pode ser desativado muito facilmente”, lamenta Cleber.