O que a região de Donbass significa para Vladimir Putin

Guerra na Ucrânia entrou em nova fase após reorganização das tropas russas; especialistas esperam por batalha iminente no leste do país

147

Donbass, uma região central extensa e sitiada que cobre grande parte do leste da Ucrânia, tem sido a linha de frente do conflito do país com a Rússia desde 2014.

Mas agora seu povo, já marcado por oito anos de luta, está se preparando para um ataque ainda mais intenso. Espera-se que uma batalha iminente pelo controle do território defina a invasão do presidente russo, Vladimir Putin, depois que suas forças sofreram fracassos dispendiosos em Kiev e no centro e no norte da Ucrânia.

Mas o que Donbass significa para Putin? 

Apesar de sua mudança para a independência junto com o resto da Ucrânia em 1991, Donbass manteve um lugar na psique da liderança russa.

Um famoso cartaz de propaganda soviética  de 1921 apelidou Donbass de “o coração da Rússia”, retratando a região como um órgão pulsante com embarcações que se estendem por todo o império russo.

Antes disso, a região fazia parte do conceito de “Novorossiya”, ou Nova Rússia, termo dado aos territórios a oeste dos quais o império russo tinha ideias expansionistas.

Cidades como Luhansk e Donetsk são historicamente “lugares que (os russos) podem ver uma certa versão de si mesmos”, disse Rory Finnin, professor associado de estudos ucranianos da Universidade de Cambridge, à CNN.

E essa imagem histórica ainda pode persistir dentro da própria visão de mundo de Putin, sugerem os especialistas.

Observadores muitas vezes sugeriram que o objetivo final desejado de Putin é reconstruir a União Soviética, na qual ele subiu na hierarquia.

Anna Makanju, ex-diretora para a Rússia no Conselho de Segurança Nacional dos EUA, sugeriu no mês passado que Putin “acredita que ele é como os czares”,  as dinastias imperiais que governaram a Rússia por séculos, “potencialmente chamados por Deus para controlar e restaurar a glória do império russo”.

Mas tal projeto não poderia ser tentado sem um esforço para recapturar Donbass, dada sua ressonância emocional como espinha dorsal industrial do império russo.

“É simbolicamente muito importante; o Donbass forneceu toda a União Soviética com matérias-primas”, disse Markian Dobczansky, um associado do Instituto de Pesquisa Ucraniano da Universidade de Harvard.

É nesse contexto que Putin reorientou sua invasão gaguejante na região onde seu conflito com a Ucrânia começou há oito anos.

As interceptações de inteligência dos EUA sugerem que Putin reorientou sua estratégia de guerra para alcançar algum tipo de vitória no leste até 9 de maio, o “Dia da Vitória” da Rússia que marca a rendição nazista na Segunda Guerra Mundial.

“Há todas as possibilidades de que Putin se mova agora para efetivamente dividir a Ucrânia; isso lhe dará o suficiente para poder declarar uma vitória doméstica e acalmar seus críticos de que esta foi uma invasão fracassada”, disse Samir Puri, membro sênior em segurança urbana e guerra híbrida do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), que trabalhou como observador do cessar-fogo em Donbass entre 2014 e 2015.

“Tomar o Donbass (seria) um prêmio de consolação, porque Kiev está agora fora do alcance militar da Rússia, mas é um bom prêmio de consolação”, disse Puri.