IMUNIZAÇÃO | Rondônia recebe mais 66.690 doses de vacinas contra a covid-19

89

O estado de Rondônia recebeu na tarde desta terça-feira (19), mais um lote de vacinas contra a covid-19 para imunizar a população prevista no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNO). As 66.690 doses do imunizante Pfizer foram entregues ao Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), na Rede Estadual de Frios, em Porto Velho. Com essa remessa, o Estado alcança 2.554.128 doses de vacinas contra a covid-19 recebidas do Governo Federal.

De acordo com o diretor-geral da Agevisa, Gilvander Gregório de Lima, na sequência as doses serão imediatamente enviadas para as seis Gerências Regionais de Saúde do Estado para atender adolescentes com a primeira dose e segunda dose para a população acima de 18 anos, vacinada há mais de 28 dias. “As doses estão disponíveis para toda a população”, pontuou o diretor, durante o evento de recepção dos imunizantes. “Toda a população que tiver mais de 28 dias de vacinada pode completar o esquema vacinal”, destacou Gregório.

O diretor chamou a atenção, também, para a administração da terceira dose da vacina, que está à disposição de toda população de Rondônia, vacinada há mais de seis meses. “Atualmente idosos, população indígena e também profissionais de saúde estão vacinados há mais de seis meses, e, portanto, aptos a receber a dose de reforço. Essas pessoas podem procurar uma Unidade de Vacinação para garantir a eficácia da imunização”, motiva o diretor.

Foge à regra dos seis meses, citados pelo diretor da Agevisa, apenas os casos de pessoas imunossuprimidas, que podem receber a dose de reforço 28 dias após a administração da segunda dose.

Com as doses recebidas nesta terça-feira, Rondônia contabiliza 2.554.128 doses de vacinas contra a covid-19 recebidas do Governo Federal, sendo:

Coronavac – 721.648

Astrazeneca – 797.550

Pfizer – 999.180

Janssen – 35.750

DECRETO 

Gilvander Gregório também frisou o cuidado que precisa ser mantido em relação às regras sanitárias, como higienização de mãos, uso de máscaras e todo protocolo utilizado no decorrer da pandemia, como medidas preventivas à covid-19. “Os cuidados permanecem. Independente dos decretos, ou seja, todos devemos manter as medidas preventivas e o principal: a vacinação, que é a forma eficiente e eficaz para combater o coronavírus”, destacou o diretor.