Forças Armadas e agências federais destroem helicóptero e detêm piloto na terra indígena Yanomami

Essa foi a primeira atuação da Defesa na operação Catrimani 2, iniciada em abril para combater a atividade ilícita e inutilizar as infraestruturas de suporte ao garimpo

110

As Forças Armadas, em conjunto com agências e órgãos de Segurança Pública na Terra Indígena Yanomami (TIY), destruíram um helicóptero e prenderam um homem, suspeito de garimpo ilegal. Com cerca de 130 militares e 20 veículos – entre viaturas, aeronaves e embarcações -, essa foi a primeira atuação da Defesa na operação Catrimani 2, iniciada em abril para combater a atividade ilícita e inutilizar as infraestruturas de suporte ao garimpo. “Esse tipo de ação continuará ocorrendo em cooperação com a Casa de Governo, para a desintrusão do garimpo ilegal no território indígena Yanomami e apoio à emergência de saúde pública de interesse nacional, enquanto for necessário”, afirmou o Chefe do Estado-Maior da operação Catrimani II, Contra-Almirante Luis Manuel de Campos Mello.

Nos últimos dois dias, as ações ocorreram em três regiões da TIY (Homoxi, Xitei Pupunha e Rangel), para desarticular pontos centrais de garimpo ilegal. Além da aeronave, foram inutilizados cinco acampamentos e apreendidos diversos equipamentos, como motores, geradores, bombas d’água, freezers e aparelho de comunicação e conexão de internet via satélite.

IMG_5970 (1).jpg

Catrimani II – A nova fase da operação, prevista para seguir até 31 de dezembro deste ano, foi instituída por meio da Portaria GM-MD Nº 1511 , de 26 de março. Cerca de 800 militares das Forças Armadas foram mobilizados, além de meios fluviais, terrestres e aéreos, para as ações de enfrentamento ao garimpo ilegal na TIY, nos estados do Amazonas e de Roraima. As Forças Armadas atuam em articulação com a Casa de Governo, em Roraima, além de agências e órgãos de segurança para fortalecer a proteção dos indígenas.

PHOTO-2024-04-09-12-03-30.jpg