Lula é um exemplo do que não queremos, diz brasileiro eleito em Portugal

131

O brasileiro Marcus Santos, eleito deputado pelo Chega em Portugal, classificou o presidente Lula (PT) como um exemplo negativo e disse que Jair Bolsonaro (PL) está “plenamente de acordo” com as aspirações da direita portuguesa. As declarações foram feitas em entrevista ao jornal O Globo.

O que aconteceu

Santos elogiou Bolsonaro e citou o combate à corrupção. Por isso, acrescentou, “Lula é um exemplo do que não queremos em Portugal”. A fala é uma resposta à pergunta sobre um colega de Chega, André Ventura, que recentemente disse que “não deixaria” o presidente brasileiro entrar em Portugal.

Muçulmanos ‘não têm a mesma cultura que a nossa’, afirmou. Ao Globo, Santos classificou como um “problema” o crescimento do fluxo migratório para a Europa, especialmente de muçulmanos. “Infelizmente, essas pessoas não têm a mesma cultura que a nossa, que é judaico-cristã. Há um choque cultural”, disse o deputado.

Segundo deputado, Chega defende uma ‘imigração controlada’. Santos reforçou que não é contra a imigração, mas disse haver “muitos brasileiros que exploram brasileiros” em Portugal. “As pessoas chegam aqui, muitas vezes sem casa e sem trabalho, e acabam caindo em redes de tráfico humano”, acusou, sem dar mais detalhes ou provas.

O partido Chega defende uma imigração controlada. Não somos contra a imigração, porque em Portugal a população é muito envelhecida e precisamos de jovens para trabalhar. Defendemos que as pessoas venham para Portugal já com um contrato de trabalho.

Quem é Marcus Santos

Deputado tem 45 anos e nasceu na Ilha do Governador, no Rio. Em Portugal, Santos representa o partido de extrema direita Chega, do qual faz parte desde sua fundação, em 2019. A legenda é apoiada por Bolsonaro, que e chegou a gravar um vídeo convocando os brasileiros com dupla nacionalidade a votarem em André Ventura, líder do Chega.

Santos se envolveu com política anos antes de se candidatar. Em 2016, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), ele veio ao Brasil para apoiar os protestos contrários ao governo, segundo contou ao canal do YouTube Gonçalo Souza. Dois anos depois, ele apoiou a candidatura de Bolsonaro à Presidência.

Pauta anti-imigração foi uma das bases de sua campanha. O deputado diz não ser contra a ida de estrangeiros para Portugal, mas deseja um controle maior sobre quem entra no país. “Para aqueles que vem para cá viver de subsídios ou cometer crimes em Portugal, esses que voltem para suas suas terras”, declarou Santos à ZugaTV, no YouTube, no mês passado.

Deputado usa redes sociais para atacar movimentos progressistas. Ele repudiou um protesto contra o racismo no Porto, onde se elegeu, afirmando que “todo vitimista é um covarde que culpa o tom de sua pele pelas suas frustrações”. Em outra postagem, Santos afirma que Portugal sofre com o “terrorismo LGBT”.