Apocalipse da internet: efeito seria devastador, diz especialista

Disrupção da internet por tempestade solar ou guerras teria efeito arrasador já que as estruturas de comunicação precedentes não existem mais

100

Um “apocalipse da internet” – causado por uma poderosíssima tempestade solar ou uma guerra – é uma possibilidade real, mas muito remota e ainda em estudo pela ciência.

Embora não haja qualquer motivo para pânico nesse sentido (pelo menos por enquanto), é interessante imaginar esse cenário e como tudo e todos se adaptariam a uma nova realidade tão inusitada: o mundo sem internet.

Em entrevista ao Olhar Digital News nesta quarta-feira (6), o neurocientista e futurista Álvaro Machado Dias, que tem uma coluna semanal no programa, explicou que a pandemia de Covid-19, por exemplo, demonstrou o despreparo do planeta em enfrentar situações dessa magnitude.

“A pandemia nos jogou na cara o fato de que as nossas redes de distribuição logística são muito mais frágeis do que imaginávamos”, disse o especialista. “Isso é uma coisa que agora nós estamos vendo novamente, por um outro ângulo, com a guerra em Gaza”.

Machado Dias explicou que os Houthis, um grupo rebelde baseado no Iêmen, têm efetuado ataques no Mar Vermelho, por onde circulam cerca de 12% de todas as embarcações do comércio mundial. “Isso tem levado a uma disrupção logística, com os navios tendo que atravessar uma rota muito maior pelo sul da África, que tem afetado a chegada de uma série de produtos às prateleiras. Simplesmente, por esse atraso. O que já é suficiente para aumento da inflação e uma série de outras preocupações governamentais”.

Quando esse raciocínio mencionado pelo especialista é aplicado à internet, a situação é ainda mais caótica. “É algo que, eventualmente, pode sim acontecer e nos levar a perceber a mesma coisa: que as nossas redes logísticas não são tão estáveis e fortes quanto pensamos”.

O dia depois do fim

Para Machado Dias, o principal fator do “dia depois do fim”, ou seja, a consequência mais importante do apagão da internet está na disrupção dos sistemas financeiros e econômicos. “Compensações bancárias e outros processos ligados a dinheiro tendem a se tornar inoperantes, e isso fatalmente atingiria a todos: as pessoas precisam das movimentações financeiras para se locomover, para comer, para tudo”. O especialista acredita que o caos ganha realmente força a partir desse aspecto.

Além disso, é claro, destaca-se a disrupção social, pela dificuldade de comunicação. “Não seria a falta de uma postagem nas redes sociais que configuraria uma situação caótica, mas sim a inabilidade de pessoas que dependem de ferramentas como o WhatsApp e outras mais até mesmo para informar que estão bem”.

A ideia de um cataclisma da internet, ainda que de curta duração, é a de um grande caos na humanidade.

Mas, nós já vivemos uma época em que não existia internet, certo? Não bastaria dar um passo para trás e começar tudo de novo? Na verdade, não é tão simples assim. O futurista usa os carros elétricos como exemplo.

“Imaginem que nós conseguimos fazer a transição em sentido à eletrificação dos veículos, e agora todo mundo tem carro elétrico. De repente, ocorre uma pane geral e nós ficamos um mês sem eletricidade, os carros não andam. Aí, vão dizer ‘mas, a gente nem precisava de eletricidade para os carros andarem, é só voltar ao que era antes’. O problema é que agora os carros rodam em eletricidade, ou seja, essa ‘volta ao que era antes’ não é realista. Os sistemas não seguem simplesmente em paralelo às novas tecnologias, eles são depreciados, substituídos, não estão mais lá”.

Uma situação de apocalipse da internet efetivamente significa a disrupção da comunicação em esfera global. “Não há nada para substituir”, alerta Machado Dias. “A resposta mais racional não é voltar a protocolos de comunicação anteriores ao surgimento da internet, muito pelo contrário: é a reconstituição da internet que representa o caminho mais fácil e rápido”.

É possível prevenir o mundo do “apocalipse da internet”?

Tempestades solares não são eventos previsíveis com tanta antecedência – no máximo, algumas horas. Eventos bélicos superpotentes, menos ainda. Então, é possível prevenir o tal “apocalipse da internet”?

Para Machado Dias, a questão não está na imprevisibilidade dos fenômenos que podem causar o apagão, mas no quanto essas medidas exigiriam em esforço, tempo e dinheiro, por exemplo.

“Qualquer medida, em qualquer escala, e especialmente as medidas em grandes escalas, precisam ser frutos de cálculos utilitários. As autoridades envolvidas nas tomadas de decisão precisam avaliar quanto vale a pena investir à luz do risco efetivo. Muito provavelmente, esse tipo de modelagem já foi feito várias vezes, em esferas menores, e a conclusão invariavelmente é que não vale a pena”.

Isso porque, o especialista explica, uma eventual interrupção da internet não seria geral, e sim pontual. “É muito mais fácil a gente disrupções conectivas entre os continentes, porque elas passam debaixo do mar, onde de fato esse efeito acontece, do que a interrupção de redes locais”.

Ilustração de cabos de internet submarinos

E, segundo ele, redes locais são suficientes para manutenção de uma estabilidade ambiental e sócio-relacional entre as pessoas, para não virar o caos. Logo, não existe interesse em investimentos pesados em níveis globais para medidas de prevenção ao “apocalipse da internet”.

Em relação a uma possível Terceira Guerra Mundial, que poderia causar a interrupção dos sistemas em escala global, o cientista não acredita na ocorrência, mas tem uma certeza: a internet seria afetada.

“Não acho que vá acontecer uma terceira grande guerra por enquanto, mas, de qualquer maneira, é absolutamente plausível imaginar uma situação de conflito internacional em que haja uma disrupção profunda da internet, de uma maneira proposital, que envolva muitos sistemas ao mesmo tempo”, disse.

E os ataques de uma nova guerra em proporções globais certamente ultrapassariam limites nunca antes alcançados. “Que os conflitos geopolíticos chegarão à esfera suborbital não há dúvidas. Resta saber quem são os protagonistas das ações mais agressivas e os tipos de armas. E aí, é claro, as telecomunicações podem sim sofrer efeitos importantes, que não serão rapidamente corrigidos”.