Imagens raras da Coreia do Norte mostram adolescentes condenados a trabalhos forçados por ver séries de TV sul-coreanas

As imagens, aparentemente gravadas em 2022, exibem dois rapazes de 16 anos algemados. O entretenimento sul-coreano, incluindo conteúdos de TV, é proibido na Coreia do Norte

49

Imagens raras obtidas pela BBC Korean mostram a Coreia do Norte sentenciando publicamente dois adolescentes a 12 anos de trabalho árduo por assistirem a K-dramas (séries de televisão sul-coreanas).

As imagens, aparentemente gravadas em 2022, exibem dois rapazes de 16 anos algemados diante de centenas de estudantes em um estádio ao ar livre. Também mostra oficiais fardados repreendendo os garotos por não “refletirem profundamente sobre seus erros”. 

O entretenimento sul-coreano, incluindo conteúdos de TV, é proibido na Coreia do Norte. Apesar disso, alguns estão dispostos a correr o risco de punições severas para acessar K-dramas, que têm uma enorme audiência global.

Imagens como essas são raras, pois a Coreia do Norte proíbe que fotos, vídeos e outras evidências da vida no país vazem para o mundo exterior.

O vídeo foi fornecido à BBC pelo Instituto de Desenvolvimento Sul e Norte (Sand), uma instituição de pesquisa que trabalha com desertores do Norte.

Isso sugere que as autoridades estão sendo mais rigorosas em relação a tais incidentes. O clipe teria sido distribuído na Coreia do Norte para educação ideológica e para alertar os cidadãos a não assistirem a “vídeos decadentes”.

O vídeo inclui um narrador repetindo a propaganda estatal. “A cultura do regime de marionetes decadente se espalhou até mesmo para os adolescentes”, diz a voz, em uma aparente referência à Coreia do Sul. “Eles têm apenas 16 anos, mas arruinaram o próprio futuro”, acrescenta. 

Os garotos também foram identificados pelos oficiais, e seus endereços foram revelados.

No passado, menores que infringiam a lei dessa maneira eram enviados para campos de trabalho juvenil, em vez de serem presos, e a punição geralmente era inferior a cinco anos. Em 2020, no entanto, Pyongyang promulgou uma lei tornando o ato de assistir ou distribuir entretenimento sul-coreano passível de pena de morte.

Um desertor anteriormente contou à BBC que foi obrigado a testemunhar a execução de um homem de 22 anos a tiros. Ele disse que o homem foi acusado de ouvir música sul-coreana e de ter compartilhado filmes do Sul com um amigo.

A CEO da Sand, Choi Kyong-hui, afirmou que Pyongyang vê a disseminação de K-dramas e K-pop como uma ameaça à sua ideologia.

“A admiração pela sociedade sul-coreana pode levar rapidamente ao enfraquecimento do sistema… Isso vai contra a ideologia monolítica que faz os norte-coreanos reverenciarem a família Kim”, disse ela. 

Os norte-coreanos começaram a ter contato com o entretenimento sul-coreano nos anos 2000, durante os anos da “política de sol” do Sul, que oferecia ajuda econômica e humanitária incondicional ao Norte. Seul encerrou a política em 2010, afirmando que a ajuda não chegava aos norte-coreanos comuns a quem se destinava e que não resultara em “mudanças positivas” no comportamento de Pyongyang.

No entanto, o entretenimento sul-coreano continuou a alcançar a Coreia do Norte por meio da China.

“Se você for pego assistindo a um drama americano, pode escapar com um suborno, mas se assistir a um drama coreano, é morte certa”, disse um desertor norte-coreano à BBC Korean na quinta-feira.”Para o povo norte-coreano, os dramas coreanos são uma ‘droga’ que os ajuda a esquecer sua difícil realidade”, disse o desertor. 

“Na Coreia do Norte, aprendemos que a Coreia do Sul vive muito pior do que nós, mas quando você assiste a dramas sul-coreanos, é um mundo completamente diferente. Parece que as autoridades norte-coreanas estão preocupadas com isso”, disse outro desertor norte-coreano na casa dos 20 anos.