Resistência antimicrobiana é um risco para o envelhecimento saudável

0
127

E se os remédios nos quais confiamos para vencer infecções não forem mais capazes de nos proteger de doenças conhecidas que se tornariam potencialmente fatais? Infelizmente, é o que estamos na iminência de ver acontecer. Cerca de 700 mil pessoas morrem por ano vítimas da resistência antimicrobiana – que é quando os medicamentos deixam de funcionar para combater microrganismos como fungos, vírus ou bactérias que sofreram alterações genéticas. Nas próximas décadas, a estimativa feita pela Organização das Nações Unidas (ONU) é de que esse número chegue a dez milhões. Por ano, é bom repetir.

A sepse, uma disfunção de órgãos com risco de vida que é causada por uma resposta desregulada a infecções, mata 11 milhões por ano, incluindo 3 milhões de crianças. O quadro é mais comum em pacientes hospitalizados, ou que tiveram alta recentemente, porque o ambiente hospitalar, onde o uso de antibióticos é generalizado, é quase um “berçário” para as superbactérias.

Artigo do médico Michael Hodin, CEO da Global Coalition on Aging (organização voltada para questões relacionadas à longevidade), em parceria com Susan Wile Schwarz e Olivia Canie, afirma que embora este seja um problema de saúde global, tem um peso desproporcional para os mais velhos:

“Quarenta por cento das mortes nos Estados Unidos provocadas pelos patógenos resistentes a antibióticos ocorrem no grupo acima dos 65 anos. Doenças como pneumonia e infecção urinária, que acometem com frequência os idosos, também são aquelas com cepas de bactérias resistentes à medicação”. 

Em 1900, pneumonia, tuberculose e infecções gastrointestinais estavam entre as principais causas de morte nos EUA. Entre 1950 e 1970, houve uma era de ouro para os antibióticos. No entanto, entre 2000 e 2020, o Food and Drug Administration (o equivalente norte-americano à Anvisa) assistiu a uma queda de quase 75% em medicamentos desse tipo submetidos à sua aprovação.

A inovação científica na área dos antibióticos está em baixa e precisamos de um novo arsenal contra infecções. Quando uma bactéria sobrevive ao tratamento, essa resistência passa para a próxima geração, até que as drogas existentes se tornam inócuas. A tuberculose multirresistente é um problema em cem países e cerca de 500 mil pessoas desenvolvem a enfermidade anualmente.