Maioria dos deputados é a favor de corrigir faixa de isenção do imposto de renda para R$ 5 mil

0
121

Quase 60% dos 513 deputados federais eleitos que tomaram posse em 2023 se dizem a favor da correção da defasagem da faixa de isenção do imposto de renda, que iria para R$ 5 mil, mostra um levantamento realizado pelo g1:

  • A favor da correção da defasagem do imposto de renda: 300 (58%)
  • Contra a correção da defasagem do imposto de renda: 21 (4%)
  • Não quiseram responder a essa pergunta:11 (2%)
  • Não responderam ao questionário: 181 (35%)

Defasagem do imposto de renda

Promessa de campanha do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a isenção do Imposto de Renda para aqueles que ganham até R$ 5 mil ainda não foi aplicada.

O projeto mais avançado do governo sobre o tema trata da elevação do piso de isenção do IR, a partir de maio, para quem ganha até R$ 2.112. A alteração será proposta por meio de Medida Provisória, que precisa do aval do Congresso Nacional para se tornar lei.

Quase 29 milhões de pessoas que recebem até R$ 4.723,78 por mês em 2023 ficariam isentas do Imposto de Renda em 2024 caso a tabela fosse corrigida integralmente pela inflação, segundo cálculos da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco).

O número é mais que o dobro (20 milhões de isentos a mais) do que os 8,8 milhões listados atualmente. Na tabela vigente do Imposto de Renda – que não é corrigida desde 2015 –, estão isentos aqueles que recebem até R$ 1.903,98, o equivalente a quase um salário mínimo e meio.

Os cálculos realizados pela Unafisco mostram que a defasagem acumulada chega a 148,1% (a taxa é a diferença entre os R$ 1,9 mil atuais e os R$ 4,7 mil em caso de correção). O percentual considera os ajustes realizados e a inflação acumulada de 1996 – ano em que a tabela do IRPF deixou de sofrer reajustes anuais – até dezembro de 2022.

Metodologia

Entre os dias 1º de dezembro e 24 de março, o g1 aplicou aos deputados um questionário sobre 18 temas que deverão constar da pauta de debates legislativos.

Todos os 513 deputados foram contatados – 332 (65%) responderam e 181 (35%) não responderam ou prometeram enviar as respostas, mas não o fizeram.

Parte dos deputados respondeu pessoalmente ou por telefone e outra parte por e-mail, aplicativos de mensagens ou por intermédio das assessorias. Todos foram informados de que a divulgação das respostas não será feita de forma individualizada.

*Participaram do levantamento: Álvaro Guaresqui; Anaísa Catucci; André Teixeira; Arthur Menicucci; Beatriz Borges; Bruna Miato; Bruno Marinho; Caroline Oliveira; Cau Rodrigues; Clara Velasco; Cláudia Loureiro; Eder Luis Santana; Fabrício Santana; Felipe Grandin; Fernanda Berlinck; Fernando Zuba; Filipe Matoso; Gabriela Clemente; Gioras Xerez; Gustavo Chagas; Gustavo Morais; Iolanda Paz; Jhonathan Oliveira; John Pacheco; José Câmara; Juliene Moretti; Laura Moura; Léo Nicolini; Luiz Felipe Barbiéri ; Mariana Garcia; Marina Pinhoni ; Matheus Arruda; Moreno Capellanes; Pâmela Ramos; Patrícia Cunha ; Pedro Alves Neto ; Rafaelle Fróes; Rede Mirante; Suellen Bastos; Taymã Carneiro; Tiago Aguiar; Victor Cinzento; Victor Farias; Vitor Matos e Vinícius Cassela.