Elon Musk ameaça criar celular “alternativo” ao Android e iPhone

62

Elon Musk, que agora é dono da Tesla, SpaceX e Twitter, disse que poderia construir completamente uma nova plataforma móvel e sistema operacional alternativo ao Android e iOS do iPhone, se fosse necessário. A razão para isso? Caso a Google Play Store e Apple App Store decidam remover o Twitter das lojas de aplicativos, Musk “não teria outra escolha” e faria um “celular alternativo”.

A fala do bilionário ocorreu no final da sexta-feira (25), quando Musk respondeu a um tweet que sugeria a criação de um “tELONphone”:

“Se a Apple e o Google chutarem o Twitter de suas lojas de aplicativos, Elon Musk deveria produzir seu próprio smartphone… O homem constrói foguetes para Marte, um pequeno smartphone bobo deve ser fácil, certo?”

Como sempre, Musk decidiu responder à menção ao seu nome com mais ideias que podem parecer um tanto loucas: “Espero com certeza que não chegue a isso, mas, sim, se não houver outra escolha, farei um telefone alternativo”, respondeu o novo dono do Twitter. O tweet gerou muitos comentários de apoio dos fãs do bilionário, assim como várias críticas de pessoas da mídia e do mercado de tecnologia.

Por que Musk precisaria de uma “alternativa” ao iPhone e Android?

O comentário de Musk veio após especulações nos últimos dias de que a Apple e o Google poderiam decidir expulsar o Twitter da App Store e da Play Store. Não há muitas informações que apoiam essa ideia. O principal fato que a motivou o rumor foi a decisão de Phil Schiller, chefe de marketing e da App Store da Apple, de desativar sua conta pessoal no Twitter.

No entanto, ninguém sabe o real motivo para o executivo desativar sua conta na rede social. Outras especulações sobre a decisão de Schiller envolvem as muitas e recentes controvérsias no Twitter após Musk assumir o controle da plataforma.

Estamos falando de demissões em massa e caóticas, o lançamento malsucedido da verificação paga de contas, a decisão de restabelecer o perfil de Donald Trump e várias outras contas suspensas e, é claro, os próprios tuítes de Musk, repletos de polêmicas e teorias.

Protestos no prédio sede do Twitter em San Francisco contra onda de demissões

No final das contas, a possibilidade remota de a Apple e o Google banirem o Twitter de suas lojas de aplicativos não é embasada em fatos concretos. Na realidade, há dois fatores adicionais para essa especulação.

Os planos de Musk para deixar sua plataforma mais lucrativa poderia esbarrar com taxas do Google e Apple para transações dentro de apps. Além disso, há uma questão de moderação de conteúdo e reputação. Se a “liberdade de expressão” que o bilionário tanto defende começar a violar leis em múltiplos países, sabemos que o Google, Apple e muitas outras empresas reagiriam negativamente.