Homem é preso após despejar lixo tóxico no oceano em navio nos EUA

53

Após ser flagrado despejando propositalmente 10.000 galões de água de esgoto contaminada por óleo, nas águas de New Orleans, no sudeste dos Estados Unidos, e tentar obstruir a justiça norte-americana, o engenheiro-chefe de um navio estrangeiro foi sentenciado a um ano e um dia de prisão, além do pagamento de uma multa no valor de cinco mil dólares.

Segundo o comunicado emitido pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ), Kirill Kompaniets também cumprirá seis meses adicionais em liberdade condicional. O homem condenado é um cidadão russo, de nome Kirill Kompaniets. Ele se declarou culpado de dois crimes: obstrução da justiça e descarga intencional de resíduos em local impróprio.

O texto também elucida a gravidade do caso. O procurador-geral da Divisão de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Departamento de Justiça, Todd Kim, destacou que “a poluição intencional das águas dos EUA e o encobrimento deliberado são crimes graves que não serão tolerados”.
Ele complementa ao apontar qual representatividade da pena para possíveis outros casos: “processos como este devem enviar uma mensagem clara àqueles que violariam a lei e colocariam em risco nossos preciosos recursos naturais.”

A conduta ilegal foi relatada pela primeira vez à Guarda Costeira por um membro da tripulação através das redes sociais. Mesmo que, por vezes, o sistema judiciário seja falho ou forneça sentenças incompletas ou insatisfatórias, é difícil não torcer pela responsabilização ambiental de quem comete crimes contra a natureza.

As mudanças climáticas já são um problema e pessoas como Kompaniets agravam essa situação. Impedir que outros como ele piorem as coisas cometendo crimes, é o mínimo que se pode fazer para mitigar os danos causados.