Pela 3ª vez na gestão Bolsonaro, alertas de desmate passam de 8 mil km² de área sob devastação

Série histórica de novas medições do INPE começou em 2015; índice atual ficou abaixo apenas do recorde de 2019/2020 e 2020/2021. Em julho deste ano, alertas somaram 1.486 km² de área, maior marca da temporada.

73

O acumulado de alertas de desmatamento em 2022 na Amazônia foi de 8.590 km², segundo dados divulgados nesta sexta-feira (12) pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe). Este é o terceiro ano consecutivo da gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL) que os alertam ficam acima da marca de 8 mil.

Somente no último mês de julho, a área sob alerta de desmatamento na região foi de 1.486 km² de floresta, a maior para a temporada.

Em decorrência das variações do clima, as estatísticas de alerta de desmatamento do Brasil sempre levam em consideração o período entre agosto de um ano e julho do ano seguinte.

Dessa forma, pesquisadores podem levar em conta todo o ciclo de chuvas e secas do bioma, além de como as queimadas e o desmatamento flutuaram dentro dos mesmos parâmetros climáticos.

De agosto de 2021 até o dia 31 julho deste ano, houve alerta de desmatamento de 8.590 km² de área da floresta, uma zona que equivale um pouco mais que o tamanho da cidade de Campo Grande (MS).

O recorde na série histórica foi entre agosto de 2019 e julho de 2020, quando 9.216 km² de alertas foram computados. Já na temporada de agosto de 2020 a julho de 2021, esse índice foi de 8.780 km², o segundo pior em 5 anos.

Para Mariana Napolitano, gerente de Ciências do WWF-Brasil, os números são bastante elevados e pintam pelo terceiro ano consecutivo o panorama do desmonte ambiental do atual governo.

“O que a gente vê agora com o fechamento do calendário de 2022 é uma forte associação ao desmonte de uma estrutura de governança e proteção territorial na Amazônia”, avalia a especialista.

Como mostrou o g1, 2022 registrou a maior taxa de alerta para um primeiro semestre em sete anos de medição na Amazônia Legal, região que corresponde a 59% do território brasileiro e que engloba a área de 9 estados – Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e uma parte do Maranhão.

“A causa para o aumento contínuo do desmatamento é o ambiente sem lei que virou o Brasil, especialmente nas áreas de conflito como Amazônia e Cerrado”, afirma Angela Kuczach, diretora-executiva da Rede Nacional Pró Unidades de Conservação.
“Em Brasília, sobram discursos inflamados e estimulo contra a legislação ambiental, em campo, falta fiscalização e nos órgãos de controle há cada vez mais a tentativa de diminuir o poder do amparo legal para a cobrança das (poucas) multas aplicadas e cumprimentos de sentença”.

No acumulado do mês, houve queda na comparação entre julho de 2022 e 2021. No ano passado, os dados apontavam 1.497 km² de áreas com alertas de desmate. Em 2022, o total foi de 1.475 km².

Recordes em janeiro e fevereiro

Janeiro e fevereiro de 2022 acumularam recordes de desmatamento no Brasil.

Como dezembro, janeiro, fevereiro e março são meses chuvosos na maioria dos estados que englobam o bioma, as taxas de desmatamento são tipicamente menores durante esses meses.

No entanto, as taxas registradas no começo do ano se comparam aos registros da estação seca em anos onde houve maior ação contra os crimes ambientais.

Em janeiro foram 430,44 km² de área sob alerta de desmatamento. A média para o mês no período entre 2016 e 2021 é de 162 km²a taxa atual foi 165% maior.

Já em fevereiro foram 199 km² de áreas sob alerta de desmate; a média entre 2016 e 2021 é de 135 km²: o número registrado neste ano foi 47% maior.

Estados que mais desmataram

Na temporada 2021-2022, o Pará foi novamente o estado com maior área da Amazônia Legal sob alerta de desmatamento: 3.072 km².

Em segundo lugar veio o Amazonas, com 2.292 km² sob alerta. Depois vieram Mato Grosso, com 1.433 km², e Rondônia, com 1.179 km². O Acre teve 395 km² sob alerta, Roraima, 125 km², e o Maranhão, 83 km².

Municípios com maior área de desmatamento

Ainda segundo o INPE, o Pará tem cinco dos dez municípios da Amazônia Legal que mais desmataram na temporada de 2021/2022. São eles: Altamira, São Félix do Xingu, Itaituba, Portel e Novo Progresso.

Já o Amazonas tem 3 cidades: Labrea, Apuí (recordistas de alerta na série) e Novo Aripuana.

Integram ainda a lista das 10 cidades com maior área de desmatamento Porto Velho (RO) e Colniza (MT)

Áreas de proteção ambiental mais ameaçadas

O Pará também lidera a lista das unidades de proteção com maior área de desmatamento na temporada de 2021-2022: dos 10 municípios da listagem, 7 ficam no estado.

Somados, a Floresta Nacional do Jamanxim, a Área de Proteção Ambiental do Tapajós e Estação Ecológica Terra do Meio, todos no Pará e que encabeçam a lista, tiveram mais de 204 km² de áreas de alerta.

Compromisso desafiador

No ano passado, durante a COP 26, o Brasil foi um dos 127 países signatários da Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra, documento que declara o comprometimento coletivo de deter e reverter a perda de florestas até 2030.

Para Kuczach, diretora-executiva da Rede Nacional Pró Unidades de Conservação, o Brasil está indo na contramão da busca de soluções no combate das mudanças climáticas e, cada vez mais, se transformando “num pária internacional”.

“Exemplos recentes disso pode ser a diminuição que aconteceu essa semana da Floresta Nacional de Brasília, num ataque surpresa promovido pelo Senado; e a extinção do Parque Estadual do Cristalino, no Mato Grosso, esse em âmbito judicial e com a clara influência de uma empresa vinculada ao maior desmatador da Amazônia, ou seja, nem dentro das unidades de conservação a floresta está de fato protegida”.

Deter x Prodes

Os alertas de desmatamento foram feitos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Inpe, que produz sinais diários de alteração na cobertura florestal para áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²), tanto para áreas totalmente desmatadas como para aquelas em processo de degradação florestal (exploração de madeira, mineração, queimadas e outras).

O Deter não é o dado oficial de desmatamento, mas alerta sobre onde o problema está acontecendo. A medição oficial do desmatamento, feita pelo sistema Prodes, costuma superar os alertas sinalizados pelo Deter.