Homem morto em ‘câmara de gás’ pela PRF foi asfixiado, diz laudo do IML

85

Segundo o laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe, o homem negro imobilizado por policiais da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e colocado no porta-malas de uma viatura, morreu de asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda.

Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, teve a causa da morte confirmada pela Secretaria de Segurança Pública na manhã desta quinta-feira (26).

O caso aconteceu nesta quarta-feira (25), em Umbaúba (SE). Segundo a SSP, mais exames estão sendo feitos, mas o corpo já foi liberado do IML para o velório, que ocorre na casa de sua mãe, no povoado Mangabeira, em Santa Luzia do Itanhy. A vítima era casada e deixa um filho.

De acordo com a família, o homem tinha esquizofrenia e tomava remédios controlados há cerca de 20 anos.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) abriu um procedimento interdisciplinar. A Polícia Federal também irá averiguar as circunstâncias da morte de Genivaldo. A situação é acompanhada pela Ordem dos Advogados do Brasil em Sergipe, que disse em nota que “tem respeito pelas instituições, mas não compactua com qualquer tipo de violência ou de tortura”.

Entenda o caso

Um homem negro foi assassinado, nesta quarta-feira (25), após ser encurralado por policiais rodoviários em Umbaúba, no sul do estado do Sergipe. Imagens mostram ​​Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, sendo imobilizado por homens enquanto outro tinha arma na mira. A vítima sofria de transtornos mentais. As informações são da Ponte Jornalismo.

Genivaldo se contorceu, pedindo por socorro e depois foi prensado no porta-malas da viatura. Relatos de testemunhas mostram que havia fumaça e spray de pimenta no momento do ocorrido. Wallyson de Jesus, sobrinho da vítima, contou que informou aos policiais sobre o transtorno mental do tio.

“Eles pediram para que ele levantasse as mãos e encontraram no bolso dele cartelas de medicamentos. Meu tio ficou nervoso e perguntou o que tinha feito. Eu pedi que ele se acalmasse e que me ouvisse”, desabafou. Quando foi colocado na mala do carro, Genivaldo já estava desacordado.

A família informou que registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia da cidade. A Polícia Civil iniciou investigação e já ouviu depoimentos da família de Genivaldo e de outras testemunhas.

O registro de chegada do corpo no Instituto Médico Legal (IML), em Aracaju, ocorreu por volta das 18h30. Para a Ponte, a assessoria da Polícia Civil de Sergipe confirmou que familiares e testemunhas prestaram depoimento na delegacia da cidade, mas não quis dar detalhes da ocorrência.

Já a Polícia Federal negou a autoria do homicídio. Em nota, afirmou que a vítima “resistiu ativamente a uma abordagem de uma equipe da PRF. Em razão da sua agressividade, foram empregados técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção e o indivíduo foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil em Umbaúba.

Durante o deslocamento, o abordado veio a passar mal e foi socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde posteriormente foi atendido e constatado o óbito.”