Enquanto a guerra se intensifica, bailarinos voltam ao palco na Ucrânia

Em Lviv, no oeste ucraniano, moradores tentam recuperar senso de normalidade enquanto combates ocorrem em outras partes do país

130

Com o público esperando ansiosamente em suas poltronas, uma mensagem familiar ecoa pelo salão, lembrando ao público de desligar os celulares e imergir na experiência.

Isso é imediatamente seguido por um anúncio mais anormal. “Caro convidado, nosso evento será suspenso em caso de alerta de ataque aéreo. Dançarinos e espectadores devem ir ao abrigo antiaéreo situado no teatro”, diz uma voz à multidão – um lembrete pungente de que esta não é uma noite normal no teatro.

Então, as luzes se apagam, a orquestra começa a tocar e uma dançarina sai dos bastidores e aparece no palco.

Teatro Ópera Nacional de Lviv foi forçado a fechar suas portas em 24 de fevereiro, quando a Rússia lançou um ataque violento e não provocado à Ucrânia. Ele recebeu os entusiastas do teatro de volta para sua primeira produção completa na noite de sexta-feira (29).

Daryna Kirik, 21, uma importante bailarina da Ópera de Lviv, se prepara para o show
Daryna Kirik, 21, uma importante bailarina da Ópera de Lviv, se prepara para o show / Serhii Korovayny para CNN

“De uma forma ou de outra, a guerra afeta a todos nós”, disse o diretor artístico de ópera, Vasyl Vovkun, à CNN. “Entendemos que a luz deve derrotar as trevas, que a vida deve derrotar a morte, e a missão do teatro é afirmar isso”.

A cidade de Lviv, no oeste ucraniano, está quase totalmente ilesa, enquanto fortes combates devastaram cidades em outras partes do país. Milhares de civis em fuga transitaram pela cidade antes de viajar para a vizinha Polônia e outros países.

Aqueles que ficaram nesta cidade resiliente, os moradores estão lentamente aprendendo a conviver com a guerra. Os cafés e restaurantes do centro estão novamente tendo um comércio movimentado, as ruas estão mais uma vez repletas de pedestres e os moradores voltaram a fazer passeios casuais nos parques.

Fornecer um lugar de consolo em meio ao conflito violento é a força por trás da retomada das apresentações, diz Vovkun.

Para começar, ele escolheu um clássico de balé bem executado, “Giselle”. Um balé de dois atos, que conta a história de uma bela camponesa que morre prematuramente após ser traída pelo homem que ama.

O ex-ministro da Cultura e Turismo, de 64 anos, explica: “Giselle também tem todos os matizes de alegria e tristeza, também há a morte e também há a vitória do amor. E, de fato, esse tema é consistente hoje. Mesmo quando ouvimos muito sobre a morte, ainda esperamos, tanto neste trabalho quanto na vida, que o amor vença, a vida vença”.

Daryna Kirik e Olexandr Omelchenko apresentam o balé "Giselle" - a primeira apresentação completa a ser exibida na Ópera Nacional de Lviv desde o início da guerra
Daryna Kirik e Olexandr Omelchenko apresentam o balé “Giselle” – a primeira apresentação completa a ser exibida na Ópera Nacional de Lviv desde o início da guerra / Serhii Korovayny para CNN

Embora sua escolha tenha se mostrado popular – com ingressos esgotados – muitos dos assentos permanecem vazios.

“Apesar do fato de que só podemos aceitar 300 pessoas porque só podemos levar esse número no abrigo, ainda é uma grande missão para nós”, continua Vovkun. “Para dar às pessoas algo para esquecer as notícias […] neste momento difícil, porque não há boas notícias na guerra. E para que eles sejam ressuscitados espiritualmente durante a guerra, vendo para esta obra de arte”.

Fazer um bom espetáculo é de suma importância para o exército de artistas do teatro. Horas antes da apresentação, a equipe de produção verificava a iluminação três vezes, enquanto outros se certificavam de que todos os detalhes no set estavam perfeitos.

Nas entranhas do teatro, os produtores subiam e desciam as escadas, com tutus nas mãos. Enquanto isso, dançarinos se alongavam pelos corredores, seus preciosos pés em chinelos de proteção.

De uma das salas de ensaio, uma voz grave reverberou pela estreita escadaria até as salas de ensaio no último andar. Em outra parte do prédio, as bailarinas estavam sentadas em silêncio enquanto os estilistas moldavam seus cabelos antes de alisar e prender firmemente no lugar.

Elenco faz últimos preparativos antes que cortina se abra
Elenco faz últimos preparativos antes que cortina se abra / Serhii Korovayny para CNN

Maria Malanchyn, 68 anos, trabalha como maquiadora na instituição cultural há cinco décadas. Ela diz à CNN que a ópera é necessária agora mais do que nunca.

“Na minha opinião, cultura é obrigatória, sempre, ainda mais agora”, explica. “Agora temos muitos deslocados, é muito difícil para eles. Mas mostramos a eles que a vida pode continuar”.

Daryna Kirik, 21 anos, interpreta o papel principal de “Giselle”. Como muitos no país, sua vida foi revirada pela guerra e pelos horrores de Bucha, onde foram encontradas valas comuns recentemente.

“Dançar ajuda a distrair do que está acontecendo”, diz a solista. “A maioria dos meus parentes está em Kiev ou na região de Kiev agora. Minha mãe, minha avó e sua irmã sobreviveram à ocupação em Bucha. Minha mãe conseguiu fugir e levar os animais de estimação. Agora ela está em segurança na Polônia, recuperando seus nervos”.

Para Kirik, retornar ao palco deu a ela um renovado senso de propósito e uma oportunidade de expressar seus sentimentos através de seu ofício.

Ela diz que o que ela mais gosta em interpretar Giselle é a “oportunidade de expressar emoções na cena da loucura. Todas as emoções negativas que estão sendo acumuladas por muito tempo podem fluir junto com as emoções da personagem”.

E por algumas horas, o público é transportado para longe do caos da realidade. A multidão é cativada a cada salto, elevação e arabesco.

É apenas um show de duas horas, mas parece ter alcançado seu objetivo de melhorar o ânimo dos presentes.

“Depois de visitar este lugar, você entende que a vida não pode ser derrotada. Nossa vida não pode ser bombardeada ou destruída por mísseis ou armas químicas ou nucleares”, diz Victoria Palamarchuk, jornalista de 50 anos, que está atualmente na casa de parentes em Lviv, após deixar sua casa na região central de Zhytomyr.

Com um sorriso caloroso, ela acrescenta: “A vida não pode ser derrotada enquanto esses lugares existem – teatros, óperas e balé – enquanto as pessoas vêm aqui e sentem alegria com esses sons”.