Brasil registra 59 mortes por Covid-19 em 24 h, menor número desde abril de 2020

As médias móveis diárias de óbitos e de infecções ficaram em 232 e 9.941, respectivamente

60

O Brasil registrou 59 mortes por Covid-19 em todo o país nas últimas 24 horas, além de 6.115 novos casos. Os dados foram divulgados neste domingo (7) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). As médias móveis de óbitos e de infecções ficaram em 232 e 9.941, respectivamente.

É normal que os números de finais de semana sejam mais baixos, devido às equipes reduzidas nos laboratórios. É, de toda maneira, o menor número diário de mortes já registrado no país desde o dia 5 de abril de 2020, também um domingo, quando foram notificados 54 óbitos pela doença.

Com a atualização, o país tem um total de 609.447 mortes e 21.880.439 infecções confirmadas desde o início da pandemia, em março de 2020.

Sem atualizações para o dia, os estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Tocantins, além do Distrito Federal, mantiveram os números da última sexta-feira (5).

250 milhões de infectados

Os casos de Covid-19 em todo o mundo se aproximaram dos 250 milhões neste domingo, enquanto o aumento da variante Delta arrefece e o comércio e o turismo são retomados. Nos últimos três meses, o número médio diário de casos caiu 36%.

Cautela na flexibilização das máscaras

Com o avanço da vacinação e a queda nos índices da pandemia, capitais como São Paulo, Campo Grande e Curitiba estudam desobrigar o uso de máscaras. Rio de Janeiro, Distrito Federal e Porto Velho já deixaram de exigir a proteção facial. Para a infectologista do Instituto Emílio Ribas, Rosana Ritchmann, é preciso cautela na decisão

EUA reabrem para turistas vacinados

Os Estados Unidos voltarão a receber viajantes internacionais vacinados contra a Covid-19 na segunda-feira (8), permitindo a entrada de visitantes de algumas nações que ficaram mais de 20 meses proibidos de irem ao país

Antiviral da Pfizer contra a Covid-19

A farmacêutica Pfizer informou na sexta-feira que sua pílula antiviral experimental contra o coronavírus reduziu o risco de hospitalização e morte em pacientes de alto risco que participaram do estudo. As chances de casos graves foram reduzidas em 89% com o medicamento.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que os Estados Unidos garantiram milhões de doses da pílula, para o caso de o medicamento se tornar um tratamento eficaz contra a doença.

A farmacêutica Pfizer está em negociações com 90 países sobre contratos para fornecimento da pílula experimental.