‘Este sol não é normal’: radiação ultravioleta extrema preocupa bolivianos

Os níveis de radiação ultravioleta nas últimas semanas chegaram a atingir 21 em uma escala que normalmente só vai até 20. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, um índice ultravioleta de 11 já é considerado "extremo"

84

A cidade de La Paz, nas terras altas da Bolívia, foi atingida por uma onda de calor incomum, com níveis de radiação ultravioleta (UV) exacerbados por níveis anormalmente baixos de cobertura de nuvens que alguns especialistas associam à mudança climática.

Os níveis de radiação ultravioleta nas últimas semanas chegaram a atingir 21 em uma escala que normalmente só vai até 20. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, um índice ultravioleta de 11 é considerado “extremo”, com as pessoas sendo alertadas para evitar a exposição para o sol.

“O sol está queimando. Este sol não é normal”, disse Segundina Mamani, moradora de La Paz, enquanto as pessoas na cidade a 3.600 metros (11.800 pés) acima do nível do mar tentavam se refrescar comendo gelo raspado e se mantendo nas sombras.

As regiões andinas de alta altitude da América do Sul podem ser atingidas por alguns dos níveis mais perigosos de radiação ultravioleta do mundo, com números que às vezes atingem patamares recordes acima de 40 no índice. Mas um número entre 11 e 17 é mais típico.

“Este é um problema que literalmente fez La Paz cozinhar”, disse Juan Pablo Palma, funcionário de gerenciamento de risco do governo municipal.

Com os líderes mundiais se reunindo em Glasgow para a conferência climática COP26 em meio a avisos de que a luz climática está piscando em vermelho, alguns cientistas bolivianos afirmam que a mudança nos padrões de chuva está intensificando os efeitos da radiação ultravioleta ao reduzir a cobertura de nuvens.

“Confirmamos o que muitos dizem: a estação das chuvas pode trazer a mesma quantidade de chuva, mas é mais curta”, disse Luis Blacutt, pesquisador do laboratório de física atmosférica em La Paz, que fez modelos de mudanças climáticas para estudar a tendência.

Embora algumas chuvas tenham trazido alívio esta semana, o laboratório espera que os altos níveis de UV dure pelo menos por mais uma semana.

“Isso significa que o desenvolvimento das nuvens está atrasado, a entrada de radiação ultravioleta é mais perceptível agora que não há nuvens”, disse Blacutt. “Temos uma entrada de uma grande quantidade de radiação ultravioleta que atinge a todos”.