Moraes é escolhido como relator no STF em ação de Bolsonaro contra CPI

Mandado de segurança pede que sejam desconsiderados a transferência do sigilo dos dados telemáticos do presidente à CPI

127

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes foi escolhido, nesta quarta-feira (27), como relator do mandado de segurança que o  presidente Jair Bolsonaro (sem partido) impetrou na corte contra os requerimentos da CPI da Covid.

O mandado de segurança, feito pela Advocacia-Geral da União (AGU), em nome de Bolsonaro, solicita que sejam desconsiderados os pedidos feitos pela CPI de transferência do sigilo dos dados telemáticos do presidente.

A escolha de Moraes para o processo ocorreu por conta da proximidade do ministro com outros caos envolvendo o presidente.

Os senadores aprovaram ainda um pedido para que o presidente tenha o  acesso bloqueado, por tempo indeterminado, às suas redes sociais, após a divulgação de uma notícia falsa, que associava a vacinação contra a Covid-19 à Aids.

AGU X CPI 

Segundo o relatório final da CPI da Covid, Bolsonaro é responsável pelos crimes de: epidemia com resultado morte, infração de medida sanitária preventiva, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, crimes contra a humanidade, nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.