Cristiano Carvalho, da Davati, diz que Dominghetti lhe avisou sobre pedido de ‘comissionamento’ na venda de vacinas

Ele afirmou que o policial militar não usou a palavra 'propina'. Segundo Cristiano, o pedido de 'comissionamento' partiu do "grupo do tenente-coronel Blanco'.

137

O representante da empresa Davati no Brasil Cristiano Carvalhoafirmou à CPI da Covid nesta quinta-feira (15) que o policial militar Luiz Paulo Dominghetti lhe informou sobre um pedido de “comissionamento” na negociação de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca. Disse ainda que, segundo Dominghetti, o pedido partiu do “grupo do tenente-coronel Blanco”.

O nome de Cristiano foi primeiramente citado na CPI há duas semanas, pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti. O policial relata que ofereceu 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca ao governo federal em nome da empresa Davati.

Segundo Dominghetti, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias lhe pediu US$ 1 de propina por dose. Dias nega.

“A informação que veio a mim, vale ressaltar isso, não foi o nome propina, tá? Ele usou comissionamento. Ele se referiu a esse comissionamento sendo do grupo do tenente-coronel Blanco e da pessoa que o tinha apresentado ao Blanco, que é de nome Odilon”, afirmou Cristiano.

O nome do coronel Blanco já havia aparecido na CPI. Segundo os relatos, ele levou Dominghetti ao encontro em que Dias teria pedido a propina. Dominghetti e Dias disseram que o coronel estava com o PM nessa ocasião.

Apesar de relatar o “comissionamento”, Cristiano disse que o valor de US$ 1 dólar não foi mencionado a ele.

“Só para reforçar, o valor de US$ 1 nunca me foi mencionado. Porque também é uma coisa tão absurda que ele nunca chegou a me dizer isso. Só falou que havia sido pedido um comissionamento”, relatou.

Dois grupos no ministério

Cristiano afirmou também que havia dois grupos atuando dentro do Ministério da Saúde: o do ex-secretário-executivo Élcio Franco e o de Roberto Dias, do qual fazia parte o coronel Blanco.

“Havia dois caminhos dentro do ministério, um era via Élcio Franco e um era via Roberto Dias. E um não sabia do outro”, afirmou.

Cristiano explicou ainda que, na visão dele, o grupo de Élcio Franco não sabia do que era tratado pelo grupo de Dias/Blanco. E que, por isso, a Davati, para driblar o “comissionamento”, procurou Franco.

“O caminho que ele tentou via Roberto Dias aparentemente não prosseguiu por conta de algum pedido que havia sido feito e que chegou a mim como do ‘grupo do Blanco’. Paralelamente, foram falar diretamente com o secretário Élcio Franco no intuito de driblar essa resistência por parte do comissionamento. O que senti do Élcio Franco foi que não tinha conhecimento algum do que o Roberto Dias estava tratando”, completou.