Assista: Assembleia Legislativa media debate sobre o retorno das aulas presenciais em Rondônia.

Servidores da educação, querem retorno das aulas presenciais após vacinação com as duas doses contra Covid-19

204

Na pauta, a discussão de temas ligados à educação e o retorno às aulas presenciais, defendida pelos sindicalistas, desde que haja a vacinação dos profissionais do setor, com as duas doses, seguido de um plano de retomada debatido com a categoria.

“É importante que haja essa discussão e entendo que a Assembleia pode contribuir com esse debate. Com as aulas on line, os professores tiveram que assumir uma série de novas atividades, com mais custos, mais desafios na elaboração de material didático e que, ao meu ver, há um desgaste ainda maior desse importante profissional para a nossa sociedade”, destacou Redano.

A deputada Cassia argumentou que a questão da retomada das aulas precisa ser amplamente debatida com a Seduc, com os sindicatos e a categoria. “Temos plena consciência do grande esforço que os professores têm feito para manter as aulas virtuais e sabemos dos cuidados que devemos ter para garantir o retorno ás aulas presenciais. Me coloco à disposição para contribuir com essas discussão”, completou.

A presidente do Sintero, Lionilda Simão, disse que a categoria tem enfrentando um grande desafio, mantendo por mais de um ano as aulas virtuais, desde suas residências. “É uma tarefa muito complicada, preparar as aulas, gravar vídeos no seu ambiente doméstico, levando seu trabalho para casa. Todos entendemos que a retomada das aulas presenciais é uma necessidade, mas temos que estar imunizados com as duas doses e com um plano de retomada bem elaborado, para dar segurança a todos”, explicou Lionilda.

Veto

Os sindicalistas pediram apoio de Redano e Cassia, para que levem ao Governo a preocupação da categoria, acerca do Projeto de Lei n°947/21, de autoria do deputado Eyder Brasil (PSL), que estabelece as aulas presenciais como atividade essencial no Estado.

A matéria aguarda o posicionamento do governador Marcos Rocha, que pode sancionar ou vetar, parcial ou totalmente. “O nosso pedido é que, através da Casa Civil, chegue ao governador a nossa preocupação com esse projeto, que torna as aulas presenciais como atividade essencial em todo o Estado. É uma ação temerária, pois caso haja uma terceira onda, antes da imunização de um percentual maior da população, como seria feito esse controle?”, questionou Lionilda.

Texto: Eranildo Costa Luna-ALE/RO

Foto: Diego Queiroz-ALE/RO