Babá de Henry diz em novo depoimento que Monique pediu para ela mentir à polícia

Ainda segundo a babá, a empregada também teria mentido, já que no dia 12 de fevereiro as duas estavam em casa quando Jairinho teria agredido Henry

181

A babá Thayná Oliveira disse, em depoimento que terminou na madrugada desta terça-feira (13), que mentiu ao depor pela primeira vez, a pedido de Monique de Medeiros, mãe do menino Henry Borel, que morreu em março deste ano aos 4 anos. Durante as declarações que duraram mais de 8 horas, Thayná relata que a mãe da criança pediu para que ela também apagasse mensagens do celular.

Ainda segundo a babá, a empregada  também teria mentido, já que no dia 12 de fevereiro as duas estavam em casa quando Jairinho teria agredido Henry.

Thayná chegou e saiu da delegacia com o rosto coberto por um casaco e não falou com a imprensa. Após o depoimento, a advogada dela conversou com os jornalistas. De acordo com Priscila Sena, a babá contou tudo da forma que aconteceu. “Ela relata dois episódios de agressão, mas ela não viu, ela supõe”.

A polícia teve acesso às conversas entre Thayná e Monique. No diálogo, a babá conta que Dr. Jairinho se trancou no quarto com Henry e que, após isso, o menino reclamou de dores na cabeça ao tomar banho, além de estar mancando.

No dia seguinte ao relato de 12 de fevereiro, Monique levou a criança ao hospital e disse que ele teria caído da cama. Henry morreu um mês depois. Para a polícia, não há dúvidas de que ele foi morto no apartamento onde moravam Dr. Jairinho e a mãe.