Sete dos onze detidos na operação Pouso Forçado são liberados em Porto Velho

Ex-secretário de Saúde do Estado, Williames Pimentel ainda não se apresentou, segundo direção geral da Polícia Civil. O G1 não conseguiu localizar as defesas dos investigados.

221

Neste sábado (30), foram liberadas sete das 11 pessoas detidas na operação Pouso Forçado, que investiga indícios de corrupção na gestão anterior da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). O diretor geral da Polícia Civil, Samir Fouad, confirmou que o mandado de prisão contra o ex-secretário de Saúde Williames Pimentel, continua em aberto.

Das quatro pessoas que continuam presas em Porto Velho, estão o também ex-secretário de Saúde, Luis Eduardo Maiorquim, e o sócio da empresa aérea Rima, Gilberto dos Santos Schefer. Essa empresa é investigada por suspeita de irregularidades no contrato com a Secretaria de Saúde.

De acordo com a direção geral da Polícia Civil, o ex-secretário estadual de saúde Williames Pimentel ainda não se apresentou à polícia e é considerado foragido, pois há um mandado de prisão contra ele. Desde ontem a polícia tenta localizá-lo.

Os mandados são de prisão temporária de cinco dias, que pode ser prorrogada. O G1 não conseguiu localizar as defesas dos investigados citados na reportagem.

Denúncia anônima

Segundo a PC, a investigação começou em 2017 depois de uma denúncia anônima. Os agentes encontraram indícios de fraudes em contratos entre a Secretaria Estadual de Saúde e a Rima Táxi Aéreo no transporte aeromédico. A polícia considerou suspeita a contratação de empresa de táxi aéreo, pra fazer transporte de pacientes, sendo que há aeronaves do Corpo de Bombeiros que podem fazer o serviço.

No desenrolar das investigações, que ficaram sob a responsabilidade da DRACO – Delegacia de Repressão ao Crime Organizado, a polícia descobriu que o número de viagens que a empresa cobrava não era equivalente ao pago pela secretaria. Segundo o apurado pelos investigadores, o número de voos pagos era maior do que o de voos realmente efetuados.