Mais de 200 indígenas fecham BR-364 em protesto contra municipalização da saúde em Cacoal, RO

Indígenas de 14 etnias usaram cartazes e barricadas sobre a ponte. Novos bloqueios devem ocorrer durante os próximos dias.

95

Mais de 200 indígenas e servidores da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) se reuniram nesta quarta-feira (27), sob a ponte do Riozinho, para protestarem contra a municipalização da saúde indígena em Cacoal (RO). Na ocasião, indígenas de 14 etnias usaram cartazes e barricadas colocadas sobre a ponte, impedindo a passagem de veículos.

Após cerca de duas horas de bloqueio, o tráfego foi liberado, porém os manifestantes afirmam que novos bloqueios devem ocorrer nos próximos dias.

De acordo com o líder indígena Marcelo Cinta Larga, a manifestação é contra a municipalização da saúde dos povos indígenas.

“Estamos com uma equipe de liderança em Brasília (DF), em audiência com o ministro da saúde. Somente quando recebermos uma resposta positiva é que os indígenas brasileiros vão desbloquear as estradas e deixar as mobilizações”, disse Marcelo.

Indígenas protestam contra municipalização da saúde em RO — Foto: Rede Amazônica/ReproduçãoIndígenas protestam contra municipalização da saúde em RO — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Indígenas protestam contra municipalização da saúde em RO — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Marcelo afirma ainda que a municipalização para os indígenas é uma forma de ‘assassinato’, tendo em vista que o acesso às aldeias é complicado.

“Para ter acesso muitas vezes é preciso a ajuda até mesmo de helicóptero, carro e barco. Portanto, nenhum município é capaz de dar assistência nem mesmo para os brancos, imagina para os indígenas, que se encontram em locais dificultosos”, destacou o indígena.

Para o indígena Henrique Surui, a municipalização da saúde trará grande impacto para os indígenas.

Policiais acompanham manifesto em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/ReproduçãoPoliciais acompanham manifesto em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Policiais acompanham manifesto em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

“Eu acho que essa municipalização não deveria ocorrer, por isso estamos manifestando. O governo não criou a saúde indígena no Brasil porque queriam, mas sim, com a nossa luta. Parar com os atendimentos da Sesai vai prejudicar a saúde dos indígenas que moram na aldeia, pois temos culturas diferentes, e acesso é difícil. O município não tem recurso humano para atender a saúde indígena no Brasil”, afirmou o manifestante.

Por volta de 13h, o tráfego sobre a ponte foi liberada, mas os manifestantes afirmaram que ainda na tarde de quarta-feira o bloqueio será retomado.

Indígenas exibem cartazes em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/ReproduçãoIndígenas exibem cartazes em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Indígenas exibem cartazes em Cacoal — Foto: Rede Amazônica/Reprodução