Jair Montes recomenda governador a fazer tomada de contas no Executivo

Parlamentar faz pronunciamento alertando que sempre terá posições firmes

42

O deputado estadual Jair Montes (PTC) fez um duro pronunciamento na sessão ordinária desta quarta-feira (27), cobrando que o governador Marcos Rocha (PSL) tome medidas urgentes para identificar a real situação financeira do Estado.

“Fui eleito para trabalhar, para me posicionar. Eu vou deixar um exemplo do que aconteceu em Porto Velho. O ex-prefeito Mauro Nazif (PSB), hoje deputado federal, tem um coração grande e não gosta de confrontos. O governador Marcos Rocha (PSL) tem coração grande também, mas precisa se posicionar, determinar uma tomada de contas, para não assumir responsabilidades que não são dele. Não pode esconder nada de ruim que herdou!”, desabafou.

Ele alertou para a situação precária e preocupante em órgãos como o Iperon, o Detran, a Caerd e outros. “Precisa com urgência, montar uma equipe, chamar o Tribunal de Contas e a Assembleia, reunir técnicos e fazer uma tomada de contas nesses locais. Estou pronto para contribuir, mas o governador precisa querer, precisa ser firme”, arrematou.

O deputado destacou ainda a motivação dos parlamentares, que estão atuando para contribuir com o Governo e sempre debatendo nas sessões, nas comissões temáticas e outros espaços, com muita determinação, na opinião dele.

“Quero ver essa mesma determinação do secretariado e dos assessores do governador, que ao invés de ficarem no Facebook, devem trabalhar, mostrar resultados e ajudar o governador. As finanças do Estado estão no amarelo, quase no vermelho. Se não forem tomadas medidas sérias, pode voltar a atrasar salários, inclusive”, desabafou.

Montes disse ainda que “tenho grande respeito pelo líder do Governo nesta Casa, o deputado Eyder Brasil (PSL), que tem se mostrado um parlamentar atuante e equilibrado, mesmo estando estreando na vida pública. Mas, não posso deixar de pontuar que há uma falta de articulação política do Governo. Os Poderes são independentes, mas precisam ser harmônicos”.

O parlamentar também destacou que “eu uso a tribuna todos as sessões, para marcar posição. Não se trata de criticar o Governo, mas sim de ter posicionamento. Eu tenho grande responsabilidade como parlamentar. Não posso fingir que nada está acontecendo, ficar quietinho e não falar nada. Não posso ser covarde”.