IA do Google conseguiu prever inundações com 5 dias de antecedência

Segundo o Google, a IA forneceu previsões de inundações em 80 países, beneficiando uma população total de 460 milhões de pessoas

114

Um dos efeitos das mudanças climáticas é o aumento considerável de desastres naturais em todo o mundo. Só no Brasil, foram mais de 1,1 mil ocorrências do tipo no ano passado, um novo recorde. No planeta todo, estes eventos geraram um prejuízo de mais de US$ 250 bilhões (cerca de R$ 1,23 trilhão), além de 74 mil mortes. Pensando nisso, o Google anunciou nos últimos dias um avanço significativo no uso da inteligência artificial para prever novas catástrofes climáticas.

Milhões de pessoas auxiliadas pelos alertas do Google

  • O Google informou que conseguiu fornecer previsões de inundações em 80 países, beneficiando uma população total de 460 milhões de pessoas, com até cinco dias de antecedência.
  • Só na Índia, por exemplo, foram enviados 800 mil alertas para usuários em áreas afetadas.
  • Estes avisos foram disponibilizadas no Google Search, Google Maps e por meio de notificações no Android.
  • “Fomos capazes de utilizar previsões baseadas em inteligência artificial para melhorar as previsões em regiões da África e da Ásia para serem semelhantes às que estão atualmente disponíveis na Europa”, atualizou a empresa nos últimos dias.
  • O próximo passo é, além de aperfeiçoar ainda mais a ferramenta e disponibilizá-la para uma quantidade maior de pessoas, desenvolver uma plataforma voltada para o assunto.
  • O objetivo é criar uma rede global de previsão de inundações com dados confiáveis.

Tecnologia foi treinada com uma variedade de dados

Segundo a empresa, a IA é eficiente principalmente em casos de inundações, o desastre natural mais comum em todo o mundo. Para isso, o Google treinou modelos de aprendizado de máquina com uma variedade de dados. Foram utilizados registros históricos de eventos, medições do nível dos rios, leituras de elevação e terreno, além de outros recursos.

A partir disso, a companhia criou mapas de rios de todo o mundo e realizou “centenas de milhares” de simulações em cada local. Essas técnicas utilizadas pela empresa foram ideais para que a inteligência artificial conseguisse prever as inundações.