FGTS Digital começa a funcionar nesta sexta-feira (1°); entenda mudança

Plataforma é considerada um avanço no setor de gestão

69

Abandonando o tradicional método burocrático e demorado, começa a funcionar nesta sexta-feira (1°) o novo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) Digital. Anunciado pelo governo no ano passado, plataforma encerrou testes em janeiro e chega para melhorar os processos de recolhimento e pagamento do benefício.

  • O FGTS Digital oferecerá um conjunto de sistemas informatizados com o objetivo de gerenciar os diversos processos que envolvem o recolhimento do fundo;
  • Entre as funcionalidades estão gerar guias rápidas e personalizadas; simular valor da indenização compensatória, cálculo automático da multa de 40%; recolhimento de vários trabalhadores de forma simultânea, entre outras;
  • Todos os valores, de vários meses, poderão ser recolhidos em uma única guia;
  • As informações de vínculo e de remuneração já inseridas no ambiente do eSocial terão reflexo no FGTS Digital;
  • O depósito do FGTS feito pela empresa deixará de ser por boleto e será por PIX — o que deve otimizar o processo de transferência de valores para a conta do trabalhador;
  • O valor continuará a ser depositado na mesma conta do trabalhador na Caixa Econômica Federal;
  • A data de recolhimento passa a ser agora no dia 20, e não mais dia 7 – a mudança vem para acompanhar a data de pagamento de outros impostos dos empregados.

Para especialistas, a chegada do FGTS Digital é um divisor de águas, já que significa o fim do processo burocrático e demorado de hoje na hora de depositar ou fazer acertos do Fundo de Garantia, e o início de um sistema que torna tudo mais simples e direto.

Em suma, a nova plataforma deve otimizar e unificar processos, oferecendo ainda mais prazo para checagem e fechamento de folha, sendo esses o benefício para os setores de gestão e RH.

No caso do trabalhador, também há pontos positivos: mais facilidade e rapidez na hora de sacar o dinheiro do fundo em caso de demissão. Para este, o processo também fica simplificado, descartando a necessidade da chave de autorização para saque.

Com o FGTS Digital, o governo pretende: 

  • Melhorar a gestão;
  • Ter mais controle e transparência dos processos;
  • Diminuir custos operacionais incorridos pelo FGTS, bem como a redução das despesas com tarifas relativas ao recebimento das guias junto aos agentes arrecadadores;
  • Garantir segurança, integridade e confiabilidade aos dados e informações de recolhimento de FGTS a serem armazenados e processados;
  • Efetuar a notificação automatizada dos devedores de FGTS;
  • Fornecer informações para direcionamento de ações e tomada de decisões estratégicas;
  • Entre outros pontos.

Os débitos de competências anteriores à implementação do FGTS Digital continuarão sendo recolhidos por meio de guias emitidas pela Caixa Econômica Federal. Nos casos dos empregadores com funcionários domésticos e microempreendedores individuais, nada muda. O recolhimento segue via Esocial.