Covid-19: entenda a importância de vacinar crianças e adolescentes

Disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) para toda a população acima de 6 meses de idade, a imunização é efetiva contra as formas mais graves da doença

76

A Covid-19 foi a principal causa de morte em menores de 19 anos por doença imunoprevenível, entre o período de 2021 e julho de 2022. O dado faz parte de levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgado em janeiro deste ano. A imunização é a principal forma de se proteger da doença e de evitar a possível contaminação de outras pessoas. Hoje, a vacina está disponível gratuitamente no Sistema único de Saúde (SUS) para toda a população acima de 6 meses de idade.

O levantamento da Fiocruz aponta ainda que, entre agosto de 2021 e julho de 2022, a taxa de mortalidade causada pelo vírus foi de 4,3 mortes por 100 mil habitantes, para menores de 1 ano, e 0,6 por 100 mil para crianças com idade entre 1 a 4 anos. A cobertura vacinal, no Brasil, contra Covid-19 em crianças permanece baixa: entre 3 e 4 anos, apenas 22,2% foram vacinados com duas doses; 55,4% entre 5 e 11 anos e 82,6% entre 12 e 17 anos.

“Apesar dessa alta taxa de mortalidade, quase dois anos após o início da vacinação de crianças contra Covid-19, a cobertura vacinal desse imunizante no Brasil ainda encontra-se em números abaixo do esperado, chegando a menos de 25% na faixa etária de 3 a 4 anos de idade com duas doses”, alerta a Fundação.

As duas vacinas aplicadas para crianças no Brasil são: Corona Vac-Butantan e BNT162b2-Pfizer, e ambas têm valores próximos a 90% de efetividade contra infecção e, principalmente, contra hospitalização por Covid-19.

Portanto, é fundamental que crianças e adolescentes também mantenham sua imunização em dia, tomando pelo menos as duas doses da vacina. Em nota técnica (https://www.bahia.fiocruz.br/wp-content/uploads/2024/01/Vertical_Nota_tecnica_VigiVac_sobre_efeitos_adversos_vac_COVID_2024-01-17_vf4-2.pdf), a Fiocruz explica que a imunização é segura. A partir das pesquisas realizadas, a observação é de que a CoronaVac teve uma taxa de efeitos colaterais leves, inferior a 5%. Já no caso da vacina BNT162b2, foram raros os relatos desses efeitos.

A nota técnica argumenta ainda que a imunização das crianças contra COVID-19 ” é uma ferramenta fundamental para proteção, principalmente em famílias mais vulneráveis socioeconomicamente, já que possuem maior risco de contrair a doença e maior dificuldade de realizar tratamento”.

Além de prevenir contra o estágio grave da doença, a vacina protege contra a Covid Longa, situação em que a pessoa permanece com sintomas depois da fase aguda da doença, e que acontece em até 30% dos casos nos adultos.

Segundo a Fiocruz, a vacinação reduz em 41% o risco de crianças e adolescentes desenvolverem Covid Longa. E a proteção é ainda maior para crianças com até seis meses, depois da última dose da vacina aplicada, com diminuição de 61% das chances de desenvolver os sintomas.

“A vacinação completa, incluindo as doses de reforço, é necessária porque a resposta imune protetora desenvolvida após a vacinação ou após infecção prévia apresenta decaimento ao longo do tempo”, reforça a Fiocruz.