Prefeitura de Porto Velho entrega primeiro Ecoponto e caminhão para coletar material e levar aos catadores

Serão entregues dez Ecopontos e parceria com os condomínios para a coleta seletiva será ampliada

59

A Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Saneamento e Serviços Básicos (Semusb), fez a entrega do primeiro Ecoponto e de um caminhão para a coleta do material reciclável, que será enviado para os catadores na Vila Princesa, que irão separar e destinar à comercialização, gerando emprego e renda para as famílias que antes retiravam o sustento do lixão.

O primeiro de dez Ecopontos – Ponto de Entrega Voluntário (PEV) de materiais recicláveis – para receber material reciclável foi instalado em frente à Escola Municipal de Ensino Infantil Professora Ronilza Cordeiro Afonso Dias, localizada no bairro Novo Horizonte, na zona Sul da capital, como parte do Projeto de Coleta Seletiva Solidária no município. Participaram da solenidade o secretário municipal da Semusb, Cleberson Pacheco, o secretário de Meio Ambiente (Sema), Robson Damasceno e o vereador Isaque Machado.

O projeto é parte do programa do Plano Municipal de Saneamento Básico e tem como objetivo o aumento do índice de reciclabilidade e concomitante fomento à inclusão socioprodutiva dos catadores e catadoras de materiais recicláveis, em cumprimento à Lei 12.305 de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS.

“Com a coleta seletiva solidária, vamos poder ajudar a melhorar a vida dos catadores. Convido a população para se integrar nessa ação solidária, que trará impactos positivos ao meio ambiente, vai gerar renda aos catadores e melhorar a nossa cidade”, declarou o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves.

População vai poder contribuir, separando o material e colocando nos Ecopontos

Para Cleberson Pacheco, “a população vai poder contribuir, separando o material e colocando nos Ecopontos. Serão dez deles instalados na cidade até o final de fevereiro. Por outro lado, estamos com essa parceria com os condomínios, iniciando aqui com o Riviera, que vai separar o material, que será enviado pela prefeitura, através da Semusb, para a Vila Princesa, para a cooperativa de catadores. Essa ação dá mais dignidade para as famílias de catadores, que passam a receber o material separado, facilitando o trabalho”, disse o secretário da Semusb.

O secretário da Sema afirmou que “com os Ecopontos, os materiais serão separados e reciclados, gerando renda, destinação ambiental correta e o caminhão vai fazer a rota para pegar o material, com ganho sustentável excepcional. Os condomínios serão parceiros e também vão separar o material, que será levado para os catadores da Vila Princesa”.

Toni dos Santos, coordenador da Cooperativa Rondoniense de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (Catanorte), informou que são 43 catadores inscritos na Catanorte, de um total de cerca de 350 que atuavam na antiga lixeira.

Serão dez Ecopontos instalados na cidade até o final de fevereiro

“Uma boa iniciativa da Prefeitura em apoiar os catadores. A grande importância é a destinação correta dos resíduos. Vamos receber o material já separado, facilitando o trabalho, que iremos fazer no barracão e não mais diretamente na lixeira, como era antes. Fica mais humanizado o nosso trabalho e a implantação de uma coleta seletiva solidária é fundamental”.

ADESÃO

A diretora da Escola Ronilza Cordeiro, Cíntia Machado, e a representante do condomínio Riviera, Márcia da Silva, assinaram o termo de adesão ao projeto. A Escola Ronilza conta com cerca de 350 alunos da creche ao pré-escolar, de 3 a 5 anos de idade. Já o condomínio Riviera conta com 283 casas e vai iniciar um processo de separação dos resíduos, que serão levados pelo caminhão da Semusb até os catadores na Vila Princesa.

“Estamos iniciando neste projeto e esperando que haja conscientização dos moradores e que possamos ter um ganho ambiental e ao mesmo tempo ajudando aos catadores da Vila Princesa, mandando material que eles possam aproveitar e comercializar”, completou Márcia da Silva.

“Precisamos que a população nos ajude nesse trabalho de coleta seletiva solidária. Com isso ganha o meio ambiente, ganha a sociedade, ganham os catadores e todos ganhamos uma cidade mais limpa”, finalizou Cleberson Pacheco.