4 policiais civis são presos por vender 16 toneladas de droga a facção do RJ

0
158

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) prenderam nesta quinta-feira (19), na Operação Drakequatro policiais civis e um advogado por tráfico de drogas. Os policiais estavam alocados na Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) até setembro, quando houve troca na chefia da delegacia.

As investigações apontam que os envolvidos venderam 16 toneladas de maconha para o Comando Vermelho, a maior facção criminosa do estado do Rio de Janeiro. Os suspeitos teriam, inclusive, escoltado a carga até uma favela dominada pelos traficantes.

Os cinco mandados de prisão foram expedidos pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Resende. Agentes foram atrás dos alvos da operação em endereços na capital fluminense e em Saquarema. Um dos locais é a Cidade da Polícia, onde fica a DRFC, na capital.

Quem são os presos

  1. Alexandre Barbosa da Costa Amazonas, ex-agente da DRFC;
  2. Eduardo Macedo de Carvalho, ex-agente da DRFC;
  3. Juan Felipe Alves da Silva, ex-chefe do setor de investigações da DRFC;
  4. Leonardo Sylvestre da Cruz Galvão, advogado;
  5. Renan Macedo Guimarães, ex-agente da DRFC.

Após a troca de comando da DRFC, em setembro, esses policiais civis foram alocados em diferentes unidades.

Flagrante na divisa

De acordo com a PF e o MPRJ, em agosto deste ano, duas viaturas da DRFC abordaram na divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro um caminhão — que já vinha sendo monitorado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) — com 16 toneladas de maconha.

“Após escoltarem o caminhão até a Cidade da Polícia Civil, os policiais civis negociaram, por meio de um advogado, a liberação da carga entorpecente e a soltura do motorista, mediante o pagamento de propina”, afirmou a PF, em nota. 

Ainda segundo a Polícia Federal, “três viaturas ostensivas da DRFC escoltaram o caminhão até os acessos de Manguinhos. Em seguida, a carga de maconha foi descarregada pelos criminosos”.

“O nome da operação remete ao pirata e corsário inglês Francis Drake, que saqueava caravelas que transportavam material roubado e se julgava isento de culpa em razão da origem ilícita dos bens”, explicou a PF.

Até a última atualização desta reportagem, a Polícia Civil não tinha se manifestado sobre as prisões.