Como a bomba atômica revelou que espécie de tubarão vive 400 anos

O tubarão da Groenlândia é um dos animais mais longevos, mas como isso foi descoberto é ainda mais curioso

0
286

Os mistérios do reino submarino sempre intrigaram os cientistas, e uma criatura em particular tem chamado a atenção de pesquisadores em todo o mundo: o tubarão da Groenlândia (Somniosus microcephalus).

  • Este tubarão é conhecido por habitar as águas gélidas do Ártico.
  • A espécie reivindica o título de vertebrado mais longevo do planeta, com uma vida que se acredita poder estender-se além dos 500 anos.
  • Mesmo levando em consideração a estimativa mais conservadora de 272 anos, ele supera qualquer outra espécie na Terra.
  • No entanto, a jornada para descobrir sua extraordinária longevidade teve início de maneira surpreendente: com a explosão de bombas atômicas.
    video
    play-sharp-fill

Desafio leva a estudo

Determinar a idade dos tubarões-da-Groenlândia é uma tarefa desafiadora devido à falta de tecidos calcificados, como os otólitos de peixes, que podem revelar a idade, de forma semelhante aos anéis de crescimento em uma árvore.

Para superar esse obstáculo, pesquisadores conduziram um estudo em 2016 publicado na revista Science utilizando técnicas de datação por radiocarbono para investigar as lentes oculares dos tubarões-da-Groenlândia.

As lentes oculares de 28 fêmeas de tubarões-da-Groenlândia foram estudadas para testar seus níveis de radiocarbono e isótopos estáveis, que são determinados pela dieta da mãe do tubarão, em vez do animal amostrado. Isso se deve à maneira única pela qual as lentes oculares retêm alguns detalhes estruturais presentes no primeiro dia de vida do tubarão.

Nos vertebrados, o núcleo da lente ocular é composto por proteínas cristalinas metabolicamente inertes, que no centro (ou seja, o núcleo embrionário) são formadas durante o desenvolvimento pré-natal. Este tecido retém proteínas sintetizadas aproximadamente aos 0 anos: uma característica única da lente ocular que tem sido explorada em outros vertebrados de difícil determinação de idade.

Trecho do artigo publicado na Science

Mas qual a relação com a bomba atômica?

  • O elemento surpreendente na história é um fenômeno conhecido como “pulso da bomba”, que tem sido identificado como um indicador da idade de animais marinhos devido à forma como influencia os níveis de radiocarbono.
  • Isso ocorre devido à liberação massiva dos isótopos radioativos C-12 e C-14 no ambiente por conta de explosões de bombas atômicas.

Desde meados da década de 1950, o radiocarbono produzido pelas explosões atmosféricas de armas termonucleares tem sido assimilado no ambiente marinho, criando um distintivo ‘pulso da bomba’ nas cronologias baseadas em carbono. O período de aumento rápido do radiocarbono é um marcador temporal bem estabelecido para a validação da idade de animais marinhos.

Trecho do artigo

Os níveis artificialmente elevados de radiocarbono foram incorporados nos tecidos de todos os seres vivos nascidos após o “pulso da bomba”, atuando como um biomarcador de idade, uma vez que os tecidos de animais nascidos antes desse período apresentam diferenças significativas em termos de datação por radiocarbono.

Para os tubarões-da-Groenlândia, isso significou que as maiores quantidades de isótopos radioativos foram encontradas nas lentes oculares dos tubarões mais jovens.

Para os tubarões maiores restantes, as modelagens revelaram que a expectativa de vida média é de pelo menos 272 anos, embora os maiores tenham sido estimados em cerca de 335 e 392 anos. A equipe de pesquisadores também estimou que esses tubarões atingem a maturidade sexual por volta dos 156 anos, resultando em uma adolescência verdadeiramente longa.

Uma das razões para a incrível longevidade desses gigantes das profundezas do mar é o extremo frio em que vivem. O ambiente ártico exige um metabolismo extremamente lento, o que está associado à longevidade em diversos grupos de animais.

Apesar desse recorde impressionante, os pesquisadores alertaram que a longevidade excepcional dos tubarões da Groenlândia e o tempo que eles levam para atingir a maturidade sexual também os tornam vulneráveis. Cada animal em idade reprodutiva representa um investimento maciço em termos de anos vividos na Terra.

Nossas estimativas sugerem fortemente uma abordagem precaucionária para a conservação do tubarão-da-Groenlândia, uma vez que são frequentemente capturados incidentalmente em pescarias de peixes de fundo no Ártico e subártico e têm sido alvo de várias iniciativas recentes de exploração comercial.

Trecho do artigo publicado na Science

Embora impressionantes, os 400 anos não são suficientes para superar o recorde do bivalve islandês cujo nome científico é Arctica islandica, que ainda mantém a liderança em termos de longevidade quando comparado ao tubarão-da-Groenlândia.