Vulcão entra em erupção no Havaí com risco de disparar “cabelos de vidro”

306

Autoridades do Serviço Geológico dos EUA (USGS) alertam que o vulcão Kilauea, no Havaí, que entrou em erupção há pouco mais de uma semana, pode começar a expelir perigosos pedaços de vidro vulcânico semelhantes a fios conhecidos como “cabelos de Pele”.

Esse nome é em referência a Peh-leh, deusa havaiana do fogo e dos vulcões. Diz a lenda que Pele habita o interior do Kilauea, localizado dentro do Parque Nacional dos Vulcões do Havaí.

Os “cabelos de Pele” se formam quando bolhas de gás dentro da lava explodem na superfície. “As bolhas estourando voam para fora e parte delas se estica em fios muito longos, às vezes chegando ou passando de meio metro”, explica Don Swanson, pesquisador geólogo do Observatório de Vulcões do Havaí. “Embora sejam lindos, os cabelos de Pele representam um grande perigo se atingirem os olhos ou forem ingeridos através da água potável”.

De acordo com o site IFLScience, o vulcão começou a entrar em erupção na semana passada, quarta-feira (7), quando começou a lançar magma para a cratera circundante a temperaturas de até 1.150 graus Celsius. Desde então, ele vem sendo constantemente monitorado.

Erupção do vulcão Kilauea chegou a ser considerada código vermelho

O USGS considerou brevemente um código vermelho para a erupção, o nível de alerta de risco mais alto, mas rebaixou para laranja no dia seguinte “porque as altas taxas iniciais de efusão diminuíram e nenhuma infraestrutura está ameaçada”.

Além do risco de emissão dos “cabelos de Pele”, o USGS está agora alertando os moradores que altos níveis de “vog” são previstos conforme a erupção continua. O termo é a junção das palavras “vulcânico”, “poluição” e “névoa”, em inglês, e se refere a uma forma de poluição do ar resultante da combinação entre dióxido de enxofre e outros gases emitidos por uma erupção vulcânica em contato com o oxigênio e a umidade na presença da luz solar.

“Altos níveis de gás vulcânico – especialmente vapor de água (H20), dióxido de carbono (CO2) e dióxido de enxofre (SO2) – são a principal preocupação, pois esse perigo pode ter efeitos de longo alcance a favor do vento”, diz uma atualização emitida pelo USGS. “Como o SO2 é continuamente liberado do cume durante a erupção, ele reagirá na atmosfera para criar a névoa visível conhecida como vog a favor do vento de Kilauea”.

Segundo o órgão, moradores e visitantes devem evitar a exposição a essas partículas vulcânicas, que podem causar irritação na pele e nos olhos.

Uma das erupções mais catastróficas do Kilauea ocorreu em 2018, quando a lava fluiu como um rio através de áreas residenciais da Ilha Grande e destruiu mais de 700 casas em um período de quatro meses, de acordo com o Serviço Nacional de Parques dos EUA. Considerada um código vermelho, aquela erupção se deu várias horas depois que poderosos terremotos sacudiram a região.

Em outubro de 2021, conforme noticiado pelo Olhar Digital, outra erupção no mesmo vulcão chegou a expelir cabelos de Pele. Assim como está acontecendo desta vez, naquela ocasião, a lava ficou confinada na cratera Halema’uma’u, parte do parque de acesso público proibido.