Operação da Polícia Civil mira esquema de corrupção na Prefeitura de Rolim de Moura

337

Na manhã desta segunda-feira (13), várias medidas cautelares foram cumpridas pela 2ª Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco 2), durante a operação Provedor-mor, deflagrada com o objetivo de combater uma associação criminosa envolvida em fraudes de licitações no município de Rolim de Moura.

Durante a ação, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nas cidades de Rolim de Moura, Santa Luzia, Ariquemes e Porto Velho.

Os alvos incluíam a Comissão Permanente de Licitação (CPL) da Prefeitura de Rolim de Moura, empresários, agentes públicos municipais e assessores parlamentares.

Segundo a Polícia, as investigações revelaram que agentes públicos ligados à CPL manipulavam licitações em favor de empresas “parceiras”, por meio de direcionamento, até mesmo a documentação destinada à abertura das licitações era enviada pelos empresários diretamente aos cuidados desses agentes, evidenciando a quebra de isonomia e imparcialidade no processo.

O nome da operação, “Provedor-mor”, foi inspirado nos relatos do livro “A Coroa, a Cruz e a Espada”, no qual o autor explana sobre os primeiros casos de corrupção no Brasil, nos quais o Provedor-mor (equivalente ao ministro da Fazenda) distribuía obras públicas entre empresários amigos.

A ação contou com auxilio de 60 policiais das unidades do Departamento de Estratégia e Inteligência, Draco, Decor, DRLD, CyberLab, Delegacias de Ouro Preto do Oeste, Cacoal, Espigão do Oeste, Cerejeiras e Ariquemes.

A ação é desdobramento da operação “O chamado”, deflagrada em 2022 que apurava prática conhecida como “rachadinha” praticada por parlamentar estadual.