Mais de 30 carros têm preço até R$ 120 mil e podem ficar mais baratos com medidas do governo; veja lista

Modelos mais em conta custam a partir de R$ 68.990 atualmente.

424

Mais de 30 carros vendidos no Brasil têm preços até R$ 120 mil e podem ficar mais baratos com medidas anunciadas pelo governo federal nesta quinta-feira (25). Os dados são de um levantamento feito pelo g1 em sites de montadoras que atuam no país.

Para a sondagem, a reportagem considerou a região de São Paulo e os preços iniciais sugeridos pelas montadoras em seus sites. Ainda de acordo com a pesquisa, pelo menos 10 companhias vendem carros até R$ 120 mil.

Veja abaixo a lista de carros que custam até esse valor:

  • Fiat Mobi – R$ 68.990
  • Renault Kwid – R$ 68.990
  • Peugeot 208 – R$ 69.990
  • Fiat Mobi Track – R$ 72.290
  • Citroën C3 – R$ 72.990
  • Fiat Argo – R$ 79.790
  • Renault Stepway – R$ 79.990
  • Volkswagen Polo Track 2023 – R$ 81.370
  • Hyundai HB20 – R$ 82.290
  • Chevrolet Onix – R$ 84.390
  • Fiat Cronos – R$ 84.790
  • Volkswagen Novo Polo MPI 2023 – R$ 86.390
  • Renault Logan – R$ 89.560
  • Hyundai HB20 Sedan – R$ 91.890
  • Volkswagen Saveiro – R$ 94.490
  • Chevrolet Onix Plus – R$ 96.390
  • Toyota Yaris – R$ 97.990
  • Peugeot Partner Rapid – R$ 98.781
  • Fiat Strada Endurance – R$ 99.990
  • Fiat Pulse – R$ 100.990
  • Nissan Versa Sense 2023 – R$ 101.190
  • Peugeot 2008 – R$ 102.990
  • Chevrolet Spin – R$ 103.990
  • Volkswagen Novo Virtus – R$ 104.390
  • Fiat Strada Freedom – R$ 105.990
  • Citroën C4 Cactus – R$ 108.990
  • Fiat Cronos Precision – R$ 109.890
  • Nissan Versa Advance – R$ 110.490
  • Fiat Fiorino – R$ 111.990
  • Fiat Strada Volcano – R$ 112.990
  • Nissan Kicks – R$ 112.990
  • Renault Duster – R$ 112.990
  • Renault Oroch – R$ 115.900
  • Volkswagen T-Cross – R$ 116.550
  • Hyundai Creta – 116.560
  • Chevrolet Montana – R$ 118.690
  • Honda New City Sedan – R$ 118.700
  • Fiat Pulse Audace – R$ 119.990

Medidas para baratear carros até R$ 120 mil

O governo federal anunciou na última quinta-feira (25) um pacote de medidas com o objetivo de reduzir o preço final dos carros para os consumidores. Entre as propostas estão:

  • Corte de impostos para reduzir o preço final de carro até R$ 120 mil em até 10,79%;
  • Adoção da taxa referencial (TR) como taxa de juros para projetos de pesquisa e inovação;
  • R$ 4 bilhões em financiamentos em dólar por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Sustentável (BNDES), voltados para empresas que trabalham com exportação.

As medidas, segundo o setor automotivo, podem fazer com que os carros populares novos voltem a custar menos de R$ 60 mil.

Atualmente, o preço de partida do carro zero é de cerca de R$ 68 mil – mais de 50 salários mínimos (hoje em R$ 1.320). Esse valor não considera medidas anunciadas nesta quinta.

Segundo o vice-presidente da República e ministro de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, o abatimento no preço final poderá ser ainda maior. O governo estuda permitir a venda direta dos carros a pessoas físicas.

O desconto vai variar de 1,5% a 10,79%, com base em três fatores:

  • o valor atual do veículo: quanto mais barato o carro, maior será o desconto tributário;
  • a emissão de poluentes: quanto mais limpo for o motor e o processo produtivo, maior o desconto;
  • a cadeia de produção: quanto maior o percentual de peças e acessórios produzidos no Brasil, maior o desconto.

Segundo foi anunciado por Alckmin, o Ministério da Fazenda terá um prazo de 15 dias para adequar a decisão às regras fiscais – ou seja, calcular a perda de arrecadação e dizer qual será a compensação no orçamento. Passado esse prazo, de acordo com Alckmin, o governo editará uma medida provisória e um decreto para regulamentar o tema.