Artista compra celular pela internet e recebe caixa com pedaços de piso de cerâmica; vídeo

Ludmila Rocha disse que desembolsou mais de R$ 2,4 mil via PIX para pagar o aparelho. Vídeo mostra dois pedaços de piso de cerâmica dentro da caixa.

373

A artista e professora de dança Ludmila Rocha, de 36 anos, contou que teve uma surpresa ao comprar um celular pela internet. A moradora de Goiânia disse que recebeu pedaços de piso de cerâmica dentro da caixa do aparelho, em que ela desembolsou mais de R$ 2,4 mil via PIX.

“Eu nunca tinha comprado nada pela internet, mas um amigo comprou no mesmo site e disse que era confiável. Quando abri a embalagem, tinham dois pedaços de cerâmica do tamanho e do peso do celular com os cabos e os fios novos. Estou me sentindo lesada, roubada, completamente frustrada, vulnerável e sem nenhum tipo de respaldo pela empresa”, desabafou.

g1 pediu um posicionamento à empresa Magazine Luiza, mas não teve retorno até a última atualização desta reportagem.

Ludmila contou que desde o dia 17 do mês passado vive uma saga por respostas sobre o seu caso, mas se sentiu desassistida com a empresa e decidiu procurar ajuda de uma advogada, do Procon e da polícia. A artista registrou um boletim de ocorrência nesta quinta-feira (4). Entenda abaixo a sequência de fatos descritas pela cliente:

  • 14/04: Comprou o aparelho pelo site
  • 17/04: Chegou o pacote
  • 18/04: Cliente iniciou a tratativa via e-mail e empresa pediu prazo até dia 02/05
  • 02/05: Não teve retorno no e-mail
  • 03/05: Tentou contato com a empresa via SAC e ligações

Após as diversas tentativas de contato, Ludmila disse que a empresa deu como encerrada a investigação do caso dela. Segundo a artista, a loja considerou que o produto foi entregue e o ressarcimento não seria feito.

De acordo com a cliente, a equipe da loja disse que o aparelho consta que foi entregue e saiu da central própria da empresa e não informou se foram revisadas câmeras de segurança. “Gente, eu estou saindo como mentirosa, fiquei igual uma idiota, como se fosse a bandida”, lamentou Ludmila.

“Me senti completamente como se eu fosse a errada da história, eles se isentaram completamente de me dar informações palpáveis de que tipo de investigação eles fizeram do meu caso. Onde foi o erro ou como essa cerâmica foi parar dentro dessa embalagem? Eles não têm interesse nenhum em resolver o meu problema”, falou.

Foto mostra caixa com cerâmica que artista e professora de dança Ludmila Rocha recebeu ao comprar um celular pela internet em Goiânia — Foto: Arquivo Pessoal/Ludmila Rocha

Entrega

Ludmila disse que no dia da entrega ela não estava em casa e, ao atender a ligação do entregador, pediu para que ele deixasse o aparelho com uma vizinha da confiança dela. Quando chegou ao local, 30 minutos depois, ela contou que teve a surpresa ao abrir a caixa do celular.

Depois de perceber o problema, a cliente entrou em contato com a empresa e pediu suporte. Segundo Ludmila, a loja pediu “um voto de confiança” e o prazo até o dia 2 de maio para resolver o problema.

Foto mostra caixa com cerâmica que artista e professora de dança Ludmila Rocha recebeu ao comprar um celular pela internet em Goiânia — Foto: Arquivo Pessoal/Ludmila Rocha

Uma semana depois, o entregador e a empresa que fez a entrega chegaram a entrar em contato com a cliente, de acordo com o relato dela. O entregador chegou a levar um documento de acareação para que a cliente assinasse dizendo que o pacote foi entregue.

“Liguei na loja e eles falaram que isso fazia parte do procedimento, mas a moça jogou na minha cara que eu assinei o documento. Mas o que eu assinei foi que recebi a remessa, não o produto”, ponderou. 

Depois de todo o imbróglio, a cliente disse que a loja também entrou em contato com ela por Instagram, além dos e-mails, e informou novamente que a investigação havia sido encerrada.

Printo mostra conversa de professora de dança Ludmila Rocha com loja após comprar um celular pela internet em Goiânia — Foto: Arquivo Pessoal/Ludmila Rocha