Vídeo: Sedam acompanha preparativos para soltura de tartarugas das praias do Vale do Guaporé, em Costa Marques

Na região do Vale do Guaporé predominam as espécies de tartarugas e tracajás. A tartaruga-da-amazônia (podecnemis expansa) é a maior espécie do gênero e de acordo com o Tortoise Freshwater Turtle Specialist Group – TFTSG é considerada como vulnerável e um dos motivos é devido à coleta excessiva de ovos e dos adultos para consumo e venda.

80

No dia 11 de dezembro vai ser realizada no município de São Francisco do Guaporé, a soltura de tartarugas do projeto Quelônios do Guaporé, organizada pela Associação Comunitária e Ecológica do Vale do Guaporé – Ecovale. O evento é considerado um dos maiores do mundo e tem o apoio do Governo de Rondônia, com ações coordenadas pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – Sedam e Batalhão de Polícia Ambiental – BPA, além do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis – IBAMA.

Soltura de tartarugas do projeto Quelônios do Guaporé é considerado um dos maiores do mundo e tem o apoio do Governo de Rondônia
Soltura de tartarugas do projeto Quelônios do Guaporé é considerado um dos maiores do mundo e tem o apoio do Governo de Rondônia

De acordo com o governador Marcos Rocha, “com políticas específicas, o Governo de Rondônia vem contribuindo para o desenvolvimento de ações de preservação na região, seja fiscalizando, custeando com recursos orçamentários públicos ou fortalecendo parcerias com a iniciativa privada e o terceiro setor”, assinalou o governador.

Segundo informa o vice-presidente da Ecovale, Zeca Lula, que coordena a ação as atividades foram divididas em três etapas. A primeira fase do projeto consistiu na realização de monitoramento ambiental da desova das tartarugas no Vale do Guaporé, com a identificação e quantificação dos ninhos. “Durante esse período de desova, em outubro, o cuidado com a proteção desses animais é redobrado devido à pesca e captura ilegal”, esclareceu o vice-presidente, destacando que a segunda fase, iniciou em novembro, com o monitoramento das seis praias principais, mas desta vez, para o nascimento dos filhotes, que os técnicos chamam de eclosão; foram identificados mais de 120 mil ninhos, somente este ano.

Para a gerente regional de gestão ambiental da Sedam em Costa Marques, Jemyllly Duarte “o objetivo é observar as principais ameaças no habitat e levantar informações da população de tartarugas. Além disso, as equipes da Coordenadoria de Educação Ambiental – Ceam e do Escritório Regional de Costa Marques – Erga, auxiliaram na construção de cercas nas praias, onde os quelônios desovaram, para proteger os filhotes de possíveis predadores, como os jacarés. A terceira etapa vai marcar o encerramento do projeto, com a soltura dos filhotes de tartarugas, na praia Belo Oriente, em São Francisco do Guaporé”, adiantou a coordenadora.

QUELÔNIOS

Na região do Vale do Guaporé predominam as espécies de tartarugas e tracajás. A tartaruga-da-amazônia (podecnemis expansa) é a maior espécie do gênero e de acordo com o Tortoise Freshwater Turtle Specialist Group – TFTSG é considerada como vulnerável e um dos motivos é devido à coleta excessiva de ovos e dos adultos para consumo e venda. O maior risco ocorre durante a estação da seca, no período do verão amazônico, as tartarugas migram para os rios em busca de praias arenosas que se formam nos cursos médios e baixos, para se reproduzirem formando ninho uma única vez durante o seu período reprodutivo. Todos os cuidados são monitorados pelas equipes ambientais.

Fonte
Texto: Andréia Fortini
Fotos: Frank Néry