Alckmin confirma Pérsio Arida, André Lara Resende, Nelson Barbosa e Guilherme Mello para transição na Economia; Simone Tebet fica com área social

Vice-presidente eleito assinou portarias para dar início aos trabalhos; uma delas forma um conselho político com membros dos partidos da coligação

66

O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) anunciou nesta terça-feira (8) os nomes da equipe que trabalhará na transição de governo, após a vitória do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre Jair Bolsonaro (PL).

O grupo técnico na área de Economia será formado por Guilherme Mello, André Lara Resende, Nelson Barbosa e Pérsio Arida.

Resende e Arida trabalharam na elaboração do Plano Real, em 1994, durante o governo de Itamar Franco. Barbosa foi ministro do Planejamento e da Fazenda no governo de Dilma Rousseff (PT). E Mello é professor de economia da Unicamp.

Já o grupo técnico de Assistência Social será formado por Marcia Lopes, Tereza Campello, André Quintão e a senadora Simone Tebet. O nome de Tebet já havia sido divulgado.

Questionado sobre o perfil heterogêneo do grupo econômico, Alckmin disse que as visões são complementares e que podem ajudar na elaboração de propostas. “Não são visões opostas, são complementares. É importante você ter, em um grupo técnico, visões que se complementam, que se somam. E é uma fase transitória, para discutir, elaborar propostas, definir questões”, afirmou.

Em entrevista a jornalistas, o vice-presidente eleito também destacou que os nomes anunciados para integrar a equipe de transição de governo não necessariamente farão parte do governo, assumindo ministérios, por exemplo.

“O presidente Lula deixou claro que os que vão participar da transição não têm relação direta com o ministério, com o governo. Podem participar, podem não participar, mas são questões bastante distintas. Esse é um trabalho de 50 dias, de agora até uma semana depois da posse. Esse é um trabalho buscando informação, continuidade de serviços públicos, não interrupção de serviços públicos, transparência, regido por lei e pautado no interesse público”, disse.

Conselho político

Alckmin, que é responsável pela coordenação da transição de governo, assinou três portarias que marcam o início formal dos trabalhos da transição de governo. Uma delas forma um conselho político da transição, integrado por representantes de diversos partidos políticos.

O grupo conta com nomes dos dez partidos que formaram a coligação vencedora na disputa presidencial (PT, PCdoB, PSB, PSOL, Rede, PV, Pros, Solidariedade, Avante e Agir), de siglas que apoiaram a chapa Lula-Alckmin no segundo turno (PDT) e de legendas que adotaram posição de neutralidade na disputa, mas agora decidiram integrar a equipe de transição (PSD).

Veja os nomes:

  • Antônio Brito, deputado federal pelo PSD;
  • Carlos Siqueira, presidente do PSB;
  • Daniel Tourinho, presidente do Agir;
  • Felipe Espirito Santo, integrante da direção do Pros;
  • Gleisi Hoffmann, deputada federal e presidente nacional do PT;
  • Guilherme Ítalo, da direção do Avante;
  • Jefferson Coriteac, vice-presidente do Solidariedade;
  • José Luiz Penna, presidente do PV;
  • Juliano Medeiros, presidente do PSOL;
  • Luciana Santos, presidente do PCdoB;
  • Wesley Diógenes, porta-voz da Rede;
  • Wolney Queiroz, deputado federal do PDT.

Outra portaria indica três coordenadores para a transição: o ex-ministro Aloizio Mercadante, coordenador do grupo técnico do gabinete; o ex-deputado federal Floriano Pesaro, coordenador-executivo do gabinete; e a deputada e presidente nacional do PT Gleisi Hoffmann, coordenadora da articulação política do gabinete de transição.

Guido Mantega

Alckmin falou que Guido Mantega, que foi ministro da Fazenda nos dois mandatos anteriores de Lula, deve participar da equipe de transição, mas sinalizou que pode não ser diretamente ligado à área macroeconômica.

“Guido Mantega deve participar [da equipe de transição]. Nós teremos outros grupos técnicos e ele participará. É muito importante sua experiência e participação”, disse o vice-presidente eleito.

Transição

O governo de transição vai trabalhar no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, e será comandado por Alckmin, que é o coordenador-geral da equipe de transição.

Por lei, o futuro governo tem direito a 50 cargos remunerados para a equipe de transição. Trabalhadores voluntários também podem participar.

Outros nomes já haviam sido anunciados para a equipe de transição, como o da esposa do presidente eleito, Rosângela da Silva, conhecida como Janja, que irá coordenar os preparativos da posse presidencial e será a responsável pelas decisões da cerimônia de 1º de janeiro de 2023.

O deputado federal eleito Guilherme Boulos (PSOL-SP) também afirmou em uma rede social que irá integrar a equipe de transição, na área de Cidades e Habitação. Ele disputou a presidência da República em 2018.