Eleições 2022: a igreja evangélica que manda fiéis votarem nulo: ‘Se não aceitarem, procurem outra’

Professor em universidade pública, pastor da Igreja Batista Renovada Moriá defende ditadura em redes sociais e diz que 'petista tem que nascer de novo'.

47

Está registrado no credo oficial da Igreja Batista Renovada Moriá, artigo 29: “Cremos que a igreja e seus membros não devem envolver-se em política — votando ou sendo votado”.

Está na fala do pastor: “Esclarecemos aos que em nosso meio querem votar em Bolsonaro qual é a nossa posição sobre o voto. Se não quiserem aceitar, devem procurar uma igreja como pensam”.

E ele vai além: “Quem, porém, defender Lula, tem que sair sem conversa (…) Quem simpatiza com o petismo tem que nascer de novo e ser liberto das trevas. Sem isso, não deve ir para qualquer igreja”.

Um dos fiéis contextualiza a proibição ao exercício do voto a membros da igreja, que tem 14 templos em Fortaleza (CE), sob condição de anonimato.

“Na minha igreja, não podemos votar. O voto precisa ser anulado”, diz à BBC News Brasil.

“Mas o pastor tem muita simpatia pelo Bolsonaro. A orientação é a saída da igreja para quem vota em Bolsonaro e, para quem vota em Lula, não ir para nenhuma igreja porque, segundo o pastor, essa pessoa não é filha de Deus.”

O direito universal ao voto, direto e secreto, é garantido no Brasil pela Constituição e pelo Código Eleitoral.

Glauco Barreira Magalhães Filho, pastor e presidente da igreja, também é advogado, professor de Direito na Universidade Federal do Ceará e membro da Academia Cearense de Letras Jurídicas.

Pastor Glauco Barreira Magalhães defende Bolsonaro e diz que quem apoiar Lula tem que ser 'liberto das trevas'

A reportagem o procurou insistentemente por e-mail, telefone e redes sociais. Ele não atendeu às ligações, não respondeu às mensagens e bloqueou o repórter em seus perfis online.