Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson renuncia

A saída de Boris Johnson já havia sido anunciada por veículos de imprensa britânicos, após escalada em escândalo de assédio sexual

51

Renunciou, na manhã desta quinta-feira (7/7), o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Em pronunciamento, o premiê anunciou ter deixado a liderança do Partido Conservador e afirmou que espera permanecer no cargo até outubro, para que um substituto seja escolhido pela sigla. No entanto, essa vontade depende de avaliação do Parlamento britânico.

A situação de Johnson ficou insustentável nos últimos dias. A crise se acirrou após o primeiro-ministro ser acusado de ignorar denúncias de assédio sexual contra o ministro Christopher Pincher. O premiê supostamente sabia das queixas, mas, ainda assim, teria optado por nomear Pincher como vice-líder do governo no Parlamento.

“Nos últimos dias, ficou difícil conseguir (continuar). É minha função junto a vocês continuar fazendo o que prometi em 2019. Estou triste por desistir do melhor emprego do mundo, mas quero agradecer a minha família, aos servidores, agências e membros do Partido Conservador”, afirmou Johnson durante o discurso em frente ao número 10 da Downing Street, residência oficial.

“O cronograma será anunciado na próxima semana. Até o novo líder aparecer, ficarei como interino. Ao povo britânico, sei que muitas pessoas estarão aliviadas e outras ficarão desapontadas”, ironizou.

Como sempre, Johnson mostrou segurança e tranquilidade na fala. “Quero agradecê-los pelo privilégio que me deram. Até que o novo primeiro-ministro seja encontrado, vocês serão contemplados”, continuou.