STF decreta sigilo em inquérito que relaciona Bolsonaro ao caso MEC

A ministra Cármen Lúcia, relatora do processo, enviou à PGR um novo pedido de investigação ao presidente Bolsonaro

59

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quinta-feira (30/6), decretar sigilo ao inquérito que apura suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) na investigação sobre a atuação do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro junto a pastores evangélicos.

Na quarta-feira (29/6), a ministra Cármen Lúcia, relatora do processo, enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR) um novo pedido de investigação apresentado por parlamentares sobre a suposta interferência do chefe do Executivo na operação da Polícia Federal que prendeu Milton Ribeiro.
No pedido, a magistrada afirmou que vê uma “gravidade incontestável” na situação. Cármen Lúcia também encaminhou para a procuradoria pedidos dos deputados Reginaldo Lopes e Israel Batista para que Bolsonaro seja investigado.
Como foi revelado pela coluna do Rodrigo Rangel, o Ministério Público Federal enxergou a possibilidade de o mandatário ter avisado a Ribeiro que ele poderia ser alvo da operação policial. A PF investiga o possível favorecimento de pastores na distribuição de verbas do Ministério da Educação.