Vacinação contra a covid-19 em crianças será feita nas unidades básicas de saúde de Porto Velho

Estratégia será por idade decrescente iniciando por crianças de 11 anos e as imunossuprimidas

123

A vacinação contra a covid-19 para crianças vai contemplar, inicialmente, as que possuem 11 anos de idade e as imunossuprimidas, crianças com alguma deficiência no sistema imunológico. A estratégia da Prefeitura é utilizar os mesmos espaços em que é feito o atendimento para adultos, nas unidades básicas de saúde e Porto Velho Shopping.

A estratégia foi definida, nesta quinta-feira (06), na Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), num momento em que o Ministério da Saúde ainda não emitiu uma nota técnica definindo como será a primeira etapa da imunização desse público específico.

Também não há data definida para que as doses do imunizante cheguem a Porto Velho, nem qual será utilizado.

IDADE

Na reunião, participaram a secretária da Semusa, Eliana Pasini, as diretoras, Fabíola Barros, do Departamento de Atenção Básica (Dab), Geiza Ribeiro, de Vigilância em Saúde (DVS) e Francisca Nery, do Departamento de Alta e Média Complexidade (Dmac), além de Elizeth Gomes, gerente de Imunização.

Imunização das crianças acontecerá nas unidades de saúde do município

Nela, foi decidido que o atendimento será feito por idade decrescente e que os pais deverão acompanhar os filhos no ato da vacinação. Na ausência destes, será necessária a presença de um responsável legal pela criança.

Os imunossuprimidos, como estão sob constante acompanhamento, não necessitarão apresentar laudo médico. Bastará qualquer documento que comprove a condição clínica, inclusive receitas.

As crianças de 11 anos poderão ser vacinadas nas unidades básicas de saúde e, também, no ponto instalado no Porto Velho Shopping.

Durante a reunião, também foi lembrado que a vacina contra a gripe segue está disponível. São doses que restaram da campanha anual iniciada em abril de 2021 e que podem acabar a qualquer momento. A secretária da Semusa também chamou a atenção da população para completar o ciclo vacinal.

“Quem recebeu a 1ª dose, mesmo que esteja com atraso, procure uma unidade para receber a 2ª dose e o reforço no prazo correto. É assim que a imunização é feita. Uma dose não basta”, afirma.