“Momento surreal”: ex-funcionários falam sobre demissão em massa via Zoom

Empresa imobiliária dispensou 900 funcionários nesses poucos minutos, ou cerca de 9% de seu quadro de funcionários

180

Christian Chapman, ex-segurador da Better.com, pensou que estava se conectando a mais uma reunião de chefia, promovida pelo CEO Vishal Garg, para falar com seus funcionários.

O que ele não sabia é que aquela seria sua última ligação como funcionário da empresa imobiliária.

“Se você está nesta chamada, você faz parte do grupo sem sorte que está sendo demitido”, disse Garg em um webinar unilateral na última quarta-feira, que durou três minutos.

Garg começou imediatamente e não esperou que os trabalhadores entrassem na reunião. “Seu emprego aqui é rescindido com efeito imediato.”

A ligação terminou abruptamente, deixando o segurador pasmo. Chapman, que é o único provedor de uma família de 7 pessoas, estava acostumado com as explosões de seu chefe— mas isso era inesperado.

Chapman começou a enviar mensagens nos canais do Slack da empresa perguntando o que estava acontecendo quando suas telas escureceram— ele perdeu o acesso ao computador, telefone, e-mail e mensagens de sua empresa. Ele recorreu ao Facebook Messenger para entrar em contato com os colegas.

Garg havia prometido um e-mail de acompanhamento do RH, mas o acesso dos funcionários foi encerrado. Chapman finalmente recebeu a comunicação por meio de seu email pessoal, horas depois.

“Foi um momento surreal. Foi uma daquelas coisas que você não acredita que vai acontecer”, disse Chapman.

Muito dinheiro

A empresa dispensou 900 funcionários nesses poucos minutos, cerca de 9% de seu quadro de funcionários. A Better.com está avaliada em US$ 6,9 bilhões —ganhando o status de unicórnio. A empresa classificou-se em primeiro lugar no LinkedIn’s Top Startups de 2020 e 2021.

Questionada, a Better.com não respondeu a um pedido de comentário.

Apoiada pela Softbank, a companhia anunciou em maio que estava abrindo capital por meio de uma empresa de aquisição de propósito específico, ou SPAC.

Um dia antes das demissões, a empresa anunciou que recebeu US$ 750 milhões em dinheiro como parte de um acordo alterado com investidores, de acordo com o TechCrunch. Isso significaria que a Better tem US$ 1 bilhão em dinheiro.

Mas muito dinheiro em uma empresa não compensa o desempenho do mercado imobiliário.

Garg posteriormente acusou os funcionários demitidos de “roubar” de seus colegas e clientes, por serem improdutivos e por trabalharem apenas duas horas por dia, de acordo com a Fortune, que confirmou esses sentimentos em uma entrevista com o CEO.

Vários ex-funcionários entrevistados pela CNN Business disseram que a equipe ficou em choque com os comentários do CEO e sua demissão repentina.

Mas Garg já esteve envolvido em polêmica antes, como evidenciado por um e-mail que ele enviou à equipe obtido pela Forbes em 2020: “Vocês são MUITO LENTOS. Vocês são um bando de GOLFINHOS BURROS… PARE. PARE. PARE AGORA. VOCÊ ESTÁ ME ENVERGONHANDO “, escreveu ele.

“Eu fui promovido, e agora ele está por aí tentando retratar todo mundo como preguiçoso e ladrão de dinheiro”, disse outro ex-funcionário que pediu para não ser identificado, e que recentemente ganhou um prêmio por seu desempenho na empresa.

“Isso é horrível. Prefiro não ter dinheiro do que ter o que está acontecendo na cabeça de Garg.”

Chapman, que trabalhou no ramo de hipotecas por quase 20 anos, também disse que recentemente completou uma chamada de avaliação de desempenho positiva com seu gerente.

Os funcionários descreveram uma cultura de trabalho caótica na Better.com, uma cultura com muitos benefícios, mas também um CEO que regularmente lançava palavrões e xingamentos em reuniões virtuais para toda a empresa.

“Percebi depois da minha primeira reunião que precisava mantê-lo no mudo e com meus fones de ouvido, porque tenho cinco filhos e não queria que ouvissem esse tipo de linguagem”, disse Chapman.

Chapman disse que já passou por quatro demissões em várias empresas hipotecárias, mas nenhuma tão “obtusa e fria” como esta.

“Estou procurando o lado bom, mas essa é a realidade da situação”, disse Chapman. “As coisas não vão ser o que eram e aceitar isso vai exigir um esforço da minha parte.”

O que deu errado?

O setor de hipotecas tem sido alimentado por refinanciamentos que dispararam durante a pandemia, à medida que as taxas de hipotecas caíram para mínimos históricos. Mas, com as taxas de hipotecas subindo e a expectativa de que aumentem ainda mais, esse boom está desacelerando.

Depois de cair continuamente durante o primeiro ano da pandemia, as taxas de hipotecas atingiram uma baixa recorde no início de 2021, com hipotecas de 30 anos disponíveis por apenas 2,65%. Mas as taxas estão subindo agora.

A Mortgage Bankers Association espera que a hipoteca de taxa fixa de 30 anos termine 2021 em 3,1% e suba para 4,0% no final de 2022.