Videoconferência: Bolsonaro se reunirá com caminhoneiros para tentar suspender paralisações

"Vou conversar com os caminhoneiros para a gente tomar uma decisão"

203

Depois de uma madrugada de bloqueios nas estradas feitos por caminhoneiros que o apoiam, o presidente Jair Bolsonaro irá se reunir ainda na manhã de hoje com representantes da categoria. O encontro foi divulgado pelo chefe do Executivo a apoiadores em uma informação posteriormente confirmada pelo Ministério da Infraestrutura.

“Eu tenho uma hora na manhã… já tenho o tempo tomado com o pessoal dos Brics, uma hora, mas estou mais cedo também. Nesses dois intervalos vou conversar com os caminhoneiros para a gente tomar uma decisão”, disse o presidente a apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, em Brasília.

O encontro foi confirmado à Reuters pela assessoria do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, que está com o presidente no Palácio do Planalto. A conversa deve acontecer por videoconferência.

Ontem, o presidente já havia pedido para que caminhoneiros autônomos desistissem da paralisação e liberassem rodovias, em áudio divulgado em grupos de mensagens, nas redes sociais (ouça o áudio abaixo). O Ministro da Infraestrutura confirmou a autenticidade do áudio.

“Fala para os caminhoneiros aí, são nossos aliados, mas esses bloqueios atrapalham a nossa economia. Isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo, em especial os mais pobres. Então, dê um toque aí para os caras, se for possível… para liberar, para a gente seguir a normalidade.” Jair Bolsonaro pede caminhoneiros para desistirem de paralisação.

Pouco tempo depois da divulgação do áudio, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas confirmou a veracidade e reforçou o pedido do chefe do Executivo para que os manifestantes desistissem da mobilização.

“Nos grupos de caminhoneiros muita gente está questionando se um áudio do presidente da República que vazou é real, e se esse áudio é atual. Bom, esse áudio é real, de hoje, e mostra a preocupação do presidente com a paralisação”, iniciou o ministro, em vídeo.

“Essa paralisação ia agravar efeitos, na economia, inflação, e ia impactar aos mais pobres, os mais vulneráreis. Uma paralisação traria desabastecimento, prejudicando a população. Há a preocupação de todos com a melhoria da situação do país, mas a gente não pode tentar resolver um problema criando outro. Daí a preocupação do presidente da República. Então peço a todos que ouçam, escutem, a palavra do presidente. No áudio mesmo, o presidente fala que a solução vai acontecer através do diálogo entre as autoridades. Então vamos confiar nessa condução, no diálogo. Vamos em frente”, acrescentou.

*Com informações da Reuters.

Do UOL, em São Paulo