Projeto do governo leva oportunidade de renda para mais de 300 famílias em residenciais da capital

79

Um projeto do governo do Acre, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Regional (Sedur) em parceria com o Instituto de Educação Profissional e Tecnológica (Ieptec), está levando oportunidade de renda e profissionalização para 335 famílias do Residencial Andirá e do Loteamento Joafra, ambos na capital acreana. 

São seis cursos e cinco oficinas nas áreas de gastronomia e finanças pessoais, com as formações de salgado, pizza, bolos e tortas, e pães e massas sendo ministrados na Escola de Gastronomia e Hospitalidade Miriam Assis Felício, localizada na Cidade do Povo. Local que nesta terça-feira, 17, abriga um novo curso de bolos e tortas, com duração de duas semanas, e atende 22 pessoas. 

O presidente do Ieptec, Francineudo Costa, esteve presente à aula e conversou com os alunos, a maioria moradores do Residencial Andirá, lembrando que a primeira-dama do Estado, Ana Paula Cameli, foi quem mais compreendeu o papel da Escola de Gastronomia para a comunidade e se esforçou junto ao governador Gladson Cameli para que ela passasse a funcionar de forma efetiva. 

“Esta é uma ação da Sedur, com a parceria do Ieptec, para proporcionar um ensino de qualidade para essas pessoas, em uma área com bastante oportunidades. Queremos que elas aproveitem ao máximo, absorvam esse conhecimento com especialistas do setor e tenho certeza que sairão daqui com o máximo de experiência possível e oportunidade de mudar de vida”, destacou Francineudo Costa.

Os responsáveis pelo projeto de ocupação profissional dentro dos residenciais fizeram toda uma mobilização na comunidade para trazer pessoas interessadas nas oportunidades apresentadas. Entre as beneficiadas, encontra-se Ediceia Barbosa, de 69 anos, que há três anos conseguiu uma nova moradia no Andirá, para onde se mudou com os três filhos após um desbarrancamento próximo de sua antiga casa. 

Bastante animada com o curso e com a chance de se tornar uma boleira profissional, justamente no dia em que aprendia como fazer um bolo de café, Ediceia reforça que esse não é um ganho apenas para ela, mas para a comunidade. 

“Essa oportunidade é muito boa pra todos nós do Andirá, porque tem gente que simplesmente quer trabalhar mas não sabe fazer um bolo, um salgado, então esse curso chegou na hora certa. É a oportunidade de uma renda familiar. Eu tenho quase 70 anos, mas eu não gosto de estar parada. Preferi participar para ajudar meus amigos, meus vizinhos e me ajudar também, porque todo dia a gente aprende”, conta.