Igreja é punida pela Justiça após humilhar fiel negro

O fiel foi abordado por seguranças, que pegaram sua mochila e jogaram tudo no chão, na frente das demais pessoas

135

A Igreja Mundial do Poder de Deus, do apóstolo Valdemiro Santiago, que foi fundada em 1998, foi condenada pela Justiça de São Paulo.

A condenação, assinada pelo juiz Guilherme Ferreira da Cruz, da 45ª Vara Cível Central de São Paulo, foi estabelecida após o cabeleireiro Jonas de Freitas, de 50 anos, ter sido humilhado por seguranças no templo do Brás, em São Paulo, em outubro de 2020.

De acordo com informações do portal UOL, o cabeleireiro disse que entrou no templo, ajoelhou-se, ergueu os braços para o alto, fechou os olhos e começou a orar. Porém, logo em seguida, foi abordado de forma grosseira por três seguranças do templo, que afirmaram que tinham recebido uma denúncia de que ele era “suspeito”.

Durante as audiências, Jonas de Freitas afirmou que os seguranças pegaram sua mochila e jogaram tudo no chão, na frente dos demais fiéis.

A vítima detalhou que chegou a pedir para os seguranças que a revista fosse feita em uma sala reservada, porém não foi atendido. Ele acredita ser sido vítima de preconceito por ser negro.

A Igreja Mundial disse que houve uma denúncia contra o fiel, que a abordagem foi realizada respeitosamente e que o cabeleireiro não passou por nenhum tipo de constrangimento. As imagens das câmeras de segurança do local ficaram de ser entregues à Justiça, mas não entregaram.

A igreja foi condenada por danos morais e não cabe recursos. O cabeleireiro queria R$ 80 mil de indenização, mas a punição estabelecida foi de R$ 5.000.